Planejamento do DER tem como foco restauração e conservação das rodovias

O diretor-geral Castro Neto (MDB) avalia que, até o final do ano, todos os municípios do Piauí estarão interligados por via asfáltica.

08/02/2021 08:17h - Atualizado em 08/02/2021 08:38h

Compartilhar no

O diretor-geral do Departamento de Estradas de Rodagem do Piauí (DER), Castro Neto, em entrevista exclusiva ao O DIA afirmou que o estado tem em torno de 6.500 quilômetros de estradas asfaltadas. Há 20 anos eram apenas 1.500 Km, que interligavam somente 66 municípios. O gestor ressalta que neste ano deve concluir o asfalto às duas últimas cidades que ainda não estão com vias de acesso asfaltadas: Pavussu e Morro Cabeça no Tempo. Castro Neto explicou ainda que o foco do planejamento do DER em sua gestão é a restauração e conservação das rodovias estaduais. Segundo ele, os investimentos nessas obras são para mais de R$ 500 milhões. "Ao todo pelo Governo, estima-se que os investimentos em rodovias.


Leia também: DER realiza obras para dar trafegabilidade às vias em todo o Estado


Quais as medidas do DER para diminuir os transtornos nas estradas com a chegada do período chuvoso?

O DER é responsável pela construção, manutenção e conservação das nossas rodovias. Hoje, temos em média, em torno de 6.500 km de rodovias asfaltadas. Há 20 anos, tínhamos apenas 1.500 e interligando somente 66 municípios. Atualmente, dos 224 apenas dois não são interligados por asfalto. Um deles é Pavussu, que terá a obra de estrada concluída em março e Morro Cabeça do Tempo, localizado no extremo Sul do Piauí, cuja obra já foi iniciada e a previsão de meta para este ano. Vamos agir com força total para até o final deste ano, o Piauí ter seus 224 municípios interligados por estradas asfaltadas. Não são todos os estados do Brasil que podem dizer isso, mas o Piauí será um deles. Então, desses 6.500 km que temos que cuidar, dividimos da seguinte maneira: corredores principais e as rodovias de ligação dos eixos até esses corredores. Os corredores principais que temos correspondem em torno de 2 mil km de extensão e o restante são rodovias que se ligam a esses corredores. Então, se uma pessoa sai lá de Bomfim do Piauí vai até um corredor, que no caso é uma BR; outra pessoa que mora em Rio Grande, ela sai de lá para a PI-140, que é um corredor. Nos corredores principais vamos passar uma camada de asfalto de micro revestimento, fazendo uma restauração nesses 2 mil quilômetros de estrada e os investimentos estão orçados em mais de R$ 400 milhões. Isso com o apoio do governador Wellington Dias por intermédio do programa Pro Piauí e de recursos das emendas da bancada federal, principalmente do senador Marcelo Castro (MDB) que, quando foi presidente da Comissão de Orçamento combinou com o governador Wellington Dias de alocar o máximo possível de recursos para recuperação e restauração de nossas estradas. Paralelo a isso, temos também as rodovias que se ligam aos corredores. Estaremos investindo em conservação dessas rodovias com a execução de operação tapa-buracos com roços, e pequenas restaurações em mais de 160 trechos de rodovias de nosso estado. Hoje temos em torno de 220 a 240 trechos de rodovias nessas condições. 

É provável que os investimentos cheguem em torno de R$ 1 bilhão", diz o gestor, acrescentando que é um grande orçamento para aplicação em infraestrutura, contando com o apoio do governador Wellington Dias por intermédio do programa Pro Piauí e de recursos das emendas da bancada federal. O gestor afirma ainda que pretende restaurar a sede do DER ainda neste ano e no tocante às eleições de 2022, Castro Neto disse que terá seu nome colocado à disposição do MDB como pré-candidato a deputado federal. Ele defendeu a coincidência de eleições a cada cinco anos, mas entende que realizar eleições a cada dois anos não é bom para o país e o povo e defende a coincidência de pleito a cada cinco anos.


O diretor-geral Castro Neto (MDB) avalia que, até o final do ano, todos os municípios do Piauí estarão interligados por via asfáltica - Foto: Elias Fontinele/O Dia

Qual é o orçamento previsto em investimentos nesses serviços de recuperação asfáltica dessas rodovias piauienses?

Serão investidos em restauração de rodovias mais de R$ 500 milhões. Ao todo pelo Governo, estima-se que os investimentos em rodovia cheguem em torno de R$ 1 bilhão. É um grande orçamento para aplicação em infraestrutura.

Quais são as regiões com mais investimentos?

Estamos com investimentos em todas as regiões do estado. O Piauí está dividido em Territórios, e são 12. Atualmente, temos mais de 15 equipes de conservação em todos eles.

O Senhor tem planejamento para a construção de novas rodovias no Estado? 

Sim. Sempre temos planejamento para construção de novas rodovias. Mas, atualmente, o nosso foco maior é a restauração de nossas rodovias existentes. Temos 6.500 quilômetros de estradas estaduais e o planejamento de ação do DER está voltado para restauração e conservação de nossas rodovias. Então, algumas rodovias para serem restauradas, precisam ser praticamente reconstruídas, também.

Como está a obra de recuperação da estrada que interliga Campo Maior a Coivaras?

Sobre a PI-215, interligando Campo Maior a Coivaras, temos contratos e estamos com equipes no local. Tem esse período chuvoso, mas temos planejamento para o aceleramento dessa obra.

Ainda sobre a infraestrutura, a malha viária do Estado, o que o Senhor teria acrescentar?

Dizer para a população que estamos trabalhando muito, diuturnamente. Pessoalmente, estou viajando muito pelas nossas estradas desde o dia que assumi o DER, desde cedo e voltamos depois das 20h, para que possamos fazer o planejamento, os projetos, assim que chegar a oportunidade possamos resolver os problemas das nossas estradas. Nesses 2021 e 2022 serão os anos das rodovias piauienses.

E sobre o prédio DER, o que tem de planejamento para restaurá-lo? 

Estamos agora com um processo licitatório que deve acabar ainda nesse mês de fevereiro e vamos iniciar uma reforma no prédio. Não vamos apenas reforma estradas, mas o edifício Chagas Rodrigues, o nosso QG, localizado no cruzamento das avenidas Frei Serafim com Miguel Rosa, deixá-lo bonito para nossos servidores que trabalham tanto.

O Senhor é pré-candidato a deputado federal nas eleições de 2022? 

Olha, o MDB saiu muito fortalecido nessas eleições de 2020. Elegemos o prefeito de Capital e tivemos uma excelente quantidade de votos em todo o Piauí e, hoje, com as mudanças das regras da política, quanto mais candidatos o partido tiver melhor para o partido. Então, eu me sinto habilitado. Estou sendo gestor agora do DER e já fui gestor da Seinfra ainda no governo de Wilson Martins. E, por coincidência, todas as vezes que sou gestor de um órgão público as obras mais importantes do estado ficam sob a minha responsabilidade. E a gente resolve os problemas. Na época do Seinfra, as obras mais cobradas do Estado eram a Orla de Atalaia, o Aeroporto de São Raimundo Nonato e a Potycabana. Então, realizei a obra da Potycabana. A Orla de Atalaia que era bastante pedida, concluímos, e o Aeroporto não chegamos a inaugurar porque o governo acabou. Mas resolvemos todos os problemas e deixamos na marca do pênalti lá para que, a próxima pessoa que chegasse, bater o pênalti e fazer o gol. E ainda com o goleiro amarrado na trave. E hoje, que estou no DER, as duas obras mais importantes do estado e cobradas são as duplicações de nossas BRs da cidade de Teresina, a BR-343 e BR- 316. E essas obras vamos entregar até o meio do ano. Obras belíssimas que vão mudar as saídas de nossa cidade. Necessárias e pedidas pelos cidadãos e cidadãs piauienses.

Então o senhor se sente credenciado para uma disputa eleitoral?

Eu já venho trabalhando pelo Estado cada vez mais desde antigamente e temos vontade de trabalhar cada vez mais e mais. Mas eu acho que o nosso sistema político, o eleitoral, está errado. Nós, não poderíamos ter, nunca e jamais pelo bem de nosso país, eleições a cada dois anos e, em 2022, já teremos eleições. Daqui até lá teremos muitas coisas pra fazer, como estradas, cuidar da educação, da saúde, da segurança e ainda a pandemia. A política nunca deveria ser um foco principal, porque o foco principal são as pessoas, as ações, as obras e a administração. A política é consequência das ações e não as ações consequências da política. Então, no mínimo, deveria ter a coincidência de eleições num período de cinco anos para o bem de nosso país e do povo.

O seu pai, senador Marcelo Castro, será candidato a governador do Piauí em 2022?

Eu me coloco como pré-candidato e estou à disposição do MDB, a trabalhar pelo meu partido. Já essa questão de governo, é algo para ser discutido em 2022. Não é a hora nem o momento para se discutir esse tema.

É permitida a reprodução deste conteúdo (matéria) desde que um link seja apontado para a fonte!

Compartilhar no
Por: Luís Carlos de Oliveira, do Jornal O Dia