Avenida estreita causa transtornos para moradores do bairro Santa Bárbara

Líder comunitário revela que o problema persiste há mais de 20 anos e diz que o poder público só visita a região na época de eleição

16/10/2021 08:30h - Atualizado em 16/10/2021 08:46h

Compartilhar no

Moradores do bairro Santa Bárbara, na zona Leste de Teresina, reclamam da falta de sinalização e pedem o alargamento da Avenida São Gonçalo, também conhecida como Nossa Senhora Teresinha. Para a população, o local é perigoso e muitos motoristas trafegam irregularmente.  

O líder comunitário João Batista disse que o problema persiste há mais de 22 anos. Segundo ele, o poder público só visita a região na época de eleição. “A obra está dessa forma desde a época do ex-prefeito Firmino Filho. Essa avenida não tem oito metros de pista e, para os ônibus passarem, um carro precisa sair dela. Nessa região já ocorreram muitos acidentes e o poder público só aparece na época de eleição”, disse.

Líder comunitário João Batista fala sobre os problemas na via. Foto: Assis Fernandes/ODIA 

Ainda segundo Batista, por não ter sinalização, muitos condutores trafegam irregularmente. “Se tiver um pedestre para passar, o carro não obedece. Além disso, até quem vem de moto tem que parar na parte inacabada da avenida deixada ao lado da pista. O rapaz que me atropelou há um tempo atrás estava levantando um dos pneus da moto. Ninguém toma providência”, disse.

João Batista afirma que os moradores estão organizando uma manifestação, ainda sem data para acontecer, com o objetivo de reivindicar melhorias no local. “Assim como outros moradores, eu não aceito uma avenida assim, onde quase todos os dias tem um acidente. A gente paga os nossos impostos e queremos que eles sejam aplicados em coisas úteis para nós. Se ninguém resolver, vamos fazer uma manifestação colocando fogo em pneus e parando o trânsito aqui para chamar a atenção sobre esse problema”, desabafa.

Alargamento e duplicação da via é um pedido dos moradores de Santa Bárbara. Foto: Assis Fernandes/ODIA

O mototaxista Amadeu Cardoso, que trabalha com a venda de peixe bem próximo à via, alega que a Prefeitura de Teresina prometeu a duplicação do local, mas não terminou os trabalhos.  


“Essa é uma avenida principal e todo esse tempo foi desse jeito, mas sempre o poder público deixa na promessa. A via é muito estreita, têm pessoas que andam a pé, outras de bicicleta e motos e não tem espaço para todos. É para ser duplicada porque tem um retorno no final da via, que também não foi concluído”, afirma.


Muitos feirantes fizeram bancas de taipas próximas à via. Juvenal Alves trabalha em uma delas e disse que é dali que tira o sustento diário. “Não tem projeto nenhum para a construção desses espaços. A gente está aqui para ganhar o nosso pão de cada dia. O desemprego está grande demais e ficamos nesses espaços porque não temos outro”, alega.

Foto: Assis Fernandes/ODIA

Outros problemas

Os moradores reclamam também da escuridão e da violência na região. Por causa disso, muitos encerram o expediente de trabalho ainda pela tarde para evitar transtornos.  


“A violência toma conta desse espaço na parte da noite. O movimento fica menor porque essa região fica muito escura. Até agora, ninguém veio ouvir a comunidade que sofre bastante com tudo isso. Para evitar qualquer transtorno, a gente vai embora cedo daqui”, finalizou o morador Alberto Santos.


Contraponto

Procurado pela reportagem, o superintendente da Superintendência das Ações Administrativas Descentralizadas Leste (Saad-Leste), James Guerra, disse que órgão municipal está finalizando o projeto de urbanização do canteiro central da avenida, mas que ainda não há previsão para a duplicação da via.

Sobre a sinalização, a reportagem não conseguiu contato com a Superintendencia de Transporte e Transito (Strans) para comentar o caso. 

É permitida a reprodução deste conteúdo (matéria) desde que um link seja apontado para a fonte!

Compartilhar no

Deixe seu comentário