Moradores denunciam água imprópria para consumo

Bairros como Parque Brasil e Jacinta Andrade, historicamente, sempre foram locais com muitas reclamações dos moradores.

08/06/2018 07:03h - Atualizado em 08/06/2018 10:58h

Compartilhar no

A ampliação da Estação de Tratamento da Zona Norte, que passa a ser chamada de ETA Norte foi realizada no mês de maio. A estação, localizada na Grande Santa Ma­ria da Codipi já existia ainda no período que o serviço de abastecimento era de respon­sabilidade da Agespisa, mas com a subconcessão dos ser­viços, o local passou por re­forma e ampliação.

Bairros como Parque Brasil e Jacinta Andrade, historica­mente, sempre foram locais com muitas reclamações dos moradores, inclusive com registro de manifestações pedindo providências. Com a reforma da estação, ODIA  traz relatos dos serviços após os primeiros quinze dias de funcionamento, , de 17 de maio ao início de junho.

Camila Martins é morado­ra do bairro Jacinta Andrade e afirma que a água no bairro é imprópria para consumo. Apesar de estar normalizado o abastecimento, ela reclama da qualidade da água. Mesmo com orçamento apertado, ela ainda precisa comprar água para beber porque não confia na qualidade da água forneci­da.


A ampliação da Estação de Tratamento da Zona Norte foi realizada no mês de maio (Foto: Elias Fontinele/O Dia)

“Aqui no Jacinta, por en­quanto, está normalizado. Po­rém acontece casos de, mesmo sem aviso nenhum da empresa Águas de Teresina, ficarmos sem água por várias semanas. Já chegamos a ficar sem água por meses. Acontece também de fecharem o abastecimento pela manhã e a água só vir à noite ou na madrugada e en­tão temos que adivinhar e sair enchendo tudo. Mas por en­quanto está tudo normal, faz pouco tempo que normalizou. Semana passada estava vindo bem escura, mas agora norma­lizou. Porém, é uma água que só se usa mesmo para banhar. Não se confia para beber”, re­lata.

José Valdir Saraiva tam­bém é morador do bairro Ja­cinta Andrade e também diz que não tem tido problemas com o abastecimento, mas com a qualidade da água fornecida.

“Com relação à falta de água, não incomoda tanto, eles são cuidadosos nesse ponto de vista. A direção, o empregado ou quem quer que seja não tem critério é com relação à qualidade da água, a purifica­ção da água. Por exemplo, a gente compra um filtro e ele não filtra a água. O meu está lá em casa sem filtrar, porque a água está saindo amarela de barro”, afirma.

Contraponto

A Águas de Teresina informa que todas as demandas relativas à qualidade da água são mapeadas junto aos canais de atendimento e, nesses casos, a empresa encaminha técnicos às residências para a devida análise e vistoria da água.

Toda água distribuída na cidade passa por processos com rigorosos padrões de qualidade, buscando atender o que estabelece a Portaria 2914/ 2011, do Ministério da Saúde. As análises podem ser conferidas conta de água, mensalmente.

A Águas de Teresina reforça a importância de os consumidores comunicarem essas situações junto aos canais de atendimento para o mapeamento devido das áreas e encaminhamentos necessários. Gratuitamente a empresa atende pelo 0800 223 2000. Também está disponível o 115 e Whatsapp (98124-3199).

A concessionária esclarece que em relação à água vista na área externa da ETA Norte, trata-se do sistema de drenagem de águas pluviais da estação. A empresa recentemente inaugurou a ETA-Norte com investimento de R$ 1,5 milhão, a concessionária adequou e modernizou as instalações já existentes, além de investir em novos processos que garantiram a qualidade da água que é distribuída à população. Dos oito filtros existentes na ETA, dois estavam sem operação e foram habilitados pela empresa, que também promoveu a reforma dos decantadores. Com essa melhoria, a produção de água tratada mais que dobrou, saindo de 430 mil litros para 900 mil litros por hora.

É permitida a reprodução deste conteúdo (matéria) desde que um link seja apontado para a fonte!

Compartilhar no
Por: Ananda Oliveira - Jornal O Dia

Deixe seu comentário