Pais protestam em Teresina contra possível suspensão de aulas presenciais

Os manifestantes bloquearam uma das principais vias da capital e ameaçam realizar um novo ato no Palácio de Karnak caso a medida seja efetivada

23/02/2021 15:07h - Atualizado em 23/02/2021 15:27h

Compartilhar no

Um grupo de pais de alunos e donos de estabelecimento da rede privada de ensino de Teresina bloquearam a avenida Frei Serafim, no começo da tarde de hoje (23), em protesto contra uma provável suspensão das aulas presenciais em todo o Piauí por determinação de um novo decreto, ainda em elaboração pelo Governo do Estado.

Segundo a servidora pública Ilana Madeira, uma das organizadoras do movimento, as crianças serão as mais prejudicadas, tanto no desenvolvimento educacional como emocional, caso seja determinado que as aulas retornem ao sistema remoto, como adotado no ano passado por conta da pandemia causada pelo novo coronavírus (Covid-19).


“Queremos que o governador não feche as escolas, que as mantenha funcionando, simplesmente pelo motivo de que não existe nenhuma razão lógica, racional ou científica que justifique isso (...) Se as escolas foram fechadas, vamos para as ruas levando todas as crianças fardadas, para assistir aula no Palácio de Karnak”, frisou a manifestante.

Por conta do aumento da taxa de ocupação de leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTIs) para o tratamento de pacientes com a Covid-19, que chegou a 100% em Teresina nesta terça-feira segundo a Fundação Municipal de Saúde (FMS), as autoridades sanitárias estaduais anunciaram que tomariam novas medidas para conter o avanço da doença, inclusive determinando a suspensão das aulas presenciais.

(Foto: ODIA)

Para o professor e empresário Gilberto Campelo, outras medidas poderiam ser tomadas pelo público que não a suspensão das atividades presenciais das escolas que, para ele,  seria uma “ignorância e irresponsabilidade” que penalizaria não só escolas, alunos e pais, mas para toda a sociedade como um todo já que a educação presencial é um serviço essencial. 


LEIA TAMBÉM: "Academias são essenciais e educação não?", questiona Sinepe-PI sobre novo decreto 

“O governo tem que aumentar a rede hospitalar e trabalhar pela vacina, não ficar culpando e jogando para as escolas e atribuindo às aulas presenciais. Somos guardadores da sociedade, educadores e pessoas que transmitem o melhor que a sociedade precisa, que é a educação, o ensinamento, o bom costume, a ética, o direito, a responsabilidade e a ciência", pontuou o docente.

A previsão era que o Governo do Piauí tivesse divulgado o novo decreto nesta manhã e começasse a valer já nesta quarta-feira (23) mas, após reivindicações de diversos segmentos, divulgou uma nota informando que os membros do Comitê de Operações Especiais (COE) irá se reunir nesta tarde para avaliar quais medidas irá realmente tomar para conter o avanço do vírus no estado.

É permitida a reprodução deste conteúdo (matéria) desde que um link seja apontado para a fonte!

Compartilhar no

Deixe seu comentário