Passe eletrônico continua sendo comercializado, afirma Setut

O informe foi emitido após uma portaria da Strans suspender a venda de vale-transporte e passe estudantil impresso

01/11/2021 17:06h

Compartilhar no

O Sindicato das Empresas de Transportes Urbanos de Passageiros de Teresina (SETUT) divulgou um comunicado na tarde desta segunda-feira (1º) afirmando que continua comercializando passe eletrônico utilizado no transporte coletivo da Capital. O informe foi emitido após uma portaria da Superintendência Municipal de Transportes e Trânsito (Strans) suspender a venda de vale-transporte e passe estudantil impresso


Leia também: Teresina: 138 ônibus estão circulando durante a greve dos motoristas e cobradores 


A coordenadora executiva do SETUT, Idina Medeiros, informa que ocorreu um desencontro de informações após a divulgação da nova portaria. Ela reafirmou que a venda dos passes eletrônicos continua normalmente nos pontos de comercialização nas diversas zonas de Teresina.

Foto: Assis Fernandes / O Dia 

“Tem sido divulgada muita Fake News e desencontro de informações de que o Setut não iria mais comercializar os créditos eletrônicos e nós, enquanto instituição, reforçamos que o SETUT continua com essa comercialização do passe estudantil e do expresso nos postos de venda, incluindo o posto de venda central do SETUT e Vale transporte eletrônico (VTE) através do site. O vale transporte é um direito do trabalhador, então para os usuários a venda irá continuar, ou seja, os vales eletrônicos continuam sendo aceitos”, afirmou. 

O Setut esclareceu que os postos possuem serviços de venda de cartões expressos e recarga de créditos para os passes estudantis e para os outros usuários do transporte público. O usuário que tiver dúvidas ou interesse por mais informações sobre a localização dos postos de vendas e recarga pode acompanhar através do site http://www.maisfacilteresina.com.br/postos.php 

Nova portaria

A nova portaria publicada pela Strans proibiu a venda de passes impressos e vale-transporte. O documento alega que qualquer mudança na forma de cobrança da tarifa deve passar pela anuência e verificação prévia da STRANS, sendo irregular a venda e a comercialização de vale-transporte e passe estudantil em papel sem esta autorização anterior. 

O superintendente da Strans, Claudio Pessoa, justificou que a medida tem como objetivo garantir a inviolabilidade e confiabilidade do sistema.

É permitida a reprodução deste conteúdo (matéria) desde que um link seja apontado para a fonte!

Compartilhar no

Deixe seu comentário