Teresina: ônibus voltam a circular nesta terça; empresários e trabalhadores assinam acordo

Após 23 dias de greve, trabalhadores do transporte público comemoram a assinatura da convenção coletiva

12/04/2022 15:32h - Atualizado em 12/04/2022 15:38h

Compartilhar no

Após 23 dias de greve do transporte público de Teresina, o Sindicato das Empresas de Transportes Urbanos de Passageiros de Teresina (Setut) e o Sindicato dos Trabalhadores em Empresas de Transportes Rodoviários (Sintetro) entraram em acordo e assinaram, nesta terça-feira (12), a convenção coletiva dos trabalhadores, onde os mesmos têm seus direitos trabalhistas resguardados, como um salário regular e auxílio saúde. 


Leia também: Mesmo com fim da greve, apenas 250 ônibus devem circular a partir de hoje em Teresina 

Ônibus voltam a circular nesta terça-feira (Foto: Arquivo O Dia)

De acordo com a desembargadora do Tribunal Regional do Trabalho, Liana Chaib, o acordo é extremamente importante, pois, a partir de agora, os trabalhadores têm um instrumento que garante seus direitos. "Chegamos a um bom termo sobre o auxílio saúde juntamente com Ministério do Trabalho. O ato histórico foi a assinatura da convenção coletiva e, a partir de agora, os trabalhadores têm um instrumento que garante uma progressão”, afirma a  desembargadora.


Veja mais: “A situação está longe de resolver” diz vereador Dudu sobre crise no transporte público 

Para Antônio Cardoso, presidente do Sintetro, a assinatura da convenção coletiva foi uma vitória diante da tamanha dificuldade que foi chegar até aqui. Segundo ele, os ônibus devem voltar a circular ainda nesta terça-feira. 

“Foi um degrau de cada vez, mas a nossa felicidade é ter assinado a convenção, apesar do salário ainda ser muito pouco pelo nosso trabalho, mas já é um avanço. Assim nossos direitos estão resguardados. Temos agora um salário regular”, explica. 

O acordo definiu que os motoristas receberão um valor de R$ 2 mil. Já os cobradores serão remunerados em RS 1.231,00 e, por fim, os fiscais receberão um salário de R$ 1.325,00. Além disso, cada trabalhador deve receber o valor de R$ 60,00 para o auxílio no plano de saúde e um vale refeição no valor de R$ 170,00.

É permitida a reprodução deste conteúdo (matéria) desde que um link seja apontado para a fonte!

Compartilhar no
Edição: Adriana Magalhães

Deixe seu comentário