Teresina tem mais de 6.500 casos confirmados de dengue, aponta FMS

Em uma semana, foram confirmados 655 novos casos de dengue, uma média de quase 93 por dia. No mesmo período, houve aumento de 36% nos casos de zika vírus.

18/07/2022 08:02h - Atualizado em 18/07/2022 09:05h

Compartilhar no

A Fundação Municipal de Saúde (FMS) divulgou os dados do boletim epidemiológico relacionado às doenças transmitidas pelo mosquito Aedes aegypti em Teresina e os números são considerados preocupantes. É que a capital piauiense possui 6.567 casos confirmados de dengue, 877 casos confirmados de chikungunya e mais oito casos confirmados de zika vírus. Ao todo, são 7.452 diagnósticos de enfermidades causadas pelo mosquito Aedes na cidade.


Leia também: Piauí apresenta aumento de 745% nos casos de dengue em 2022 


Os números da FMS são referentes à 27ª Semana Epidemiológica que foi de 09 a 15 de julho. Em comparação com a semana epidemiológica anterior, que foi de 02 a 08 de julho, houve um aumento considerável nos casos de arboviroses em Teresina. Por exemplo, na semana retrasada, a capital tinha 5.912 casos confirmados de dengue. Para chegar aos 6.567 casos confirmados na semana passada, a FMS confirmou 655 casos em apenas sete dias. A média é de cerca de 93 casos a cada 24 horas.


Foto: Assis Fernandes/O Dia

A situação também é preocupante quando se observa os dados das infecções por zika vírus. Na semana epidemiológica 26, Teresina tinha 643 casos confirmados da doença. Na semana seguinte, já eram 877, o que representa um aumento de 36,3% em sete dias.

Até o dia 15 de julho, Teresina tinha nove óbitos confirmados por dengue e quatro ainda em investigação. Com relação à febre chikungunya, há três óbitos confirmados decorrentes da doença, mas nenhum novo registro em investigação. Já no que diz respeito ao zika vírus, não há óbitos confirmados nem em investigação relacionados à doença.

A Fundação Municipal de Saúde, por meio da Diretoria de Vigilância em Saúde Municipal, faz um apelo para que a população contribua com o combate ao mosquito da dengue evitando a formação de focos em residências e no meio das ruas. A orientação é não deixar água parada, seja ela suja ou limpa. Em caso de sintomas, deve-se procurar imediatamente atendimento médico.

“Hidrate, hidrate, hidrate. E tem que urinar transparente feito a água que bebe. Então se você está com dor no corpo, dor abdominal, e se quando está deitado e levanta, o mundo roda, por favor, procure um serviço de saúde. Temos encontrado casos muito graves”, pontuou a diretora de Vigilância em Saúde, a médica Amariles Borba.

É permitida a reprodução deste conteúdo (matéria) desde que um link seja apontado para a fonte!

Compartilhar no

Deixe seu comentário