Estágios preparam jovens para o mercado de trabalho

Este ano, a Lei do Estágio (N° 11.788/2008) completa 10 anos e reforça a importância da qualificação.

08/10/2018 08:17h

Compartilhar no

Ingressar no mercado de trabalho é um dos maiores desejos dos jovens que estão começando sua vida profissional. E o estágio tem um importante papel, já que é através dele que os estudantes conseguem colocar em prática o que aprendem no curso. Este ano, a Lei do Estágio (N° 11.788/2008) completa 10 anos e reforça a importância de estudantes, empresas e instituições de ensino saberem seus direitos e deveres.

A Artigo 1° da Lei do Estágio, define o que é o estágio como um ato educativo escolar supervisionado desenvolvido no ambiente de trabalho que visa a preparação para o trabalho produtivo de educandos, que estejam frequentando o ensino regular de instituição de educação superior, profissional, ensino médio, da educação especial e no anos finais do ensino fundamental, na modalidade profissional da educação de jovens e adultos. 

Segundo Helleny Batista Correia Lima Coêlho, supervisora de Operações do Centro Integrado Empresa-Escola (CIEE) explica que, devido à sua importância na vida dos estudantes, o estágio oferece grandes possibilidades e experiencia profissional ainda numa situação de aprendizagem. Ou seja, o aluno, mesmo com pouca idade no início da vida escolar e profissional, consegue ter a oportunidade de aprender e trabalhar em uma determinada área, sem medo de errar. 

“O estágio é importante porque dá essa possibilidade de o jovem aprender e ter experiencias que irá vivenciar após sua vida de estudante, errar e acertar. Dentro de um cenário de aprendizagem isso é possível, porque ele estará amparado por uma lei que vai o proteger e porque ele terá o auxílio de um supervisor que vai exercer um papel de orientador. No mercado de trabalho, onde as regras imperam e, em tese, não se pode errar ou a margem deve ser a mínima possível, o erro não é admito e, nessa perspectiva, dá ao estagiário a possibilidade de aprender”, fala. 

A supervisora de Operações do CIEE cita, porém, que uma das dificuldades das empresas e recrutar estagiários que tenham conhecimento e capacitação. Por isso, ela orienta que ele os estudantes obtenham e acumule, conhecimento teórico, para que eles possam aplicar melhor no dia a dia. Cursos de extensão podem ser uma excelente experiência e ajudar a ampliar o conhecimento dos jovens. 

Ela enfatiza que “o estudante não pode se prender apenas ao conhecimento que ele vê em sala de aula, porque o acúmulo de conhecimento pode chegar de diversas maneiras e não apenas nas salas de aula. Muitas vezes, um curso paralelo pode parecer que não tenha utilidade no curso que está se formando, mas na realidade ele é um complemento para sua capacitação e pode agregar conhecimento. Um curso de teatro, por exemplo, pode ajudar pessoas que tenham dificuldade em falar em público ou apresentações”, conta Helleny Batista Correia Lima Coêlho. 

Nessa vertente, o CIEE também conversa e orienta as empresas que o conhecimento teórico que os jovens levam para dentro das organizações é importante para a instituição, já que eles estão em contato direto com novas teorias, fazendo com que as empresas só tenham a ganhar. Esse contato faz com que os gestores tenham se sensibilizado com essa proposta e estejam mais receptivos.

É permitida a reprodução deste conteúdo (matéria) desde que um link seja apontado para a fonte!

Compartilhar no
Por: Isabela Lopes

Deixe seu comentário


Notícias Relacionadas