Luí­s Correia

Luís Correia: 200 filhotes de tartaruga nascem nas praias da cidade; confira cuidados

O Instituto Tartarugas do Delta realiza o monitoramento dos ninhos de desova e chama atenção para os cuidados necessários

22/03/2022 18:01h - Atualizado em 22/03/2022 18:23h

Compartilhar no

Cerca de 200 filhotes de tartarugas marinhas nasceram no último sábado (19), nas praias de Luís Correia. Foram 126 filhotes na Praia do Arrombado e 117 na Praia do Barro Preto. Os nascimentos vêm sendo monitorados pelo Instituto Tartarugas do Delta e, segundo a ONG, mais filhotes devem nascer durante este mês. 

Em período de desova e nascimento dos filhotes é preciso redobrar atenção nas praias (Foto: Reprodução/Instagram)

Durante o período de desova das tartarugas e nascimento dos filhotes, é preciso redobrar a atenção e os cuidados nas praias onde o fenômeno é mais comum. O Instituto Tartarugas do Delta lembra que essas áreas devem ser protegidas, visto que são berçários das tartarugas marinhas. “Mais de 80 tartarugas retornam todos os anos para confeccionar novos ninhos. Esse fenômeno natural não ocorre em todas as praias brasileiras”, destaca a instituição em uma publicação no instagram.

Ao nascerem, os filhotes iniciam a sua primeira jornada de sobrevivência, que inclui conseguir chegar ao mar para iniciar seu ciclo de vida. Os filhotes devem nadar até chegarem nas zonas de convergência de correntes, Nestes locais, eles encontram alimento e proteção até que cheguem à idade juvenil. 

Ao nascerem, o objetivo dos filhotes é chegar ao mar (Foto: Reprodução/Instagram)

De acordo com a ONG, que atua na Área de Proteção Ambiental Delta do Parnaíba (APA Delta), é importante que as pessoas façam contato com a equipe do instituto caso registre alguma ocorrência de ninhos ou de filhotes. Além disso, alguns cuidados são necessários para que os ninhos e os filhotes estejam a salvo e consigam migrar para o mar. 

Confira:

  • É importante ficar atento às áreas de desova sinalizadas na areia;
  • Não jogar lixo nas praias, tanto pela sustentabilidade, quanto para não atrapalhar a passagem dos filhotes;
  • Não transitar com veículos nos locais de desova;
  • Evitar iluminação inadequada sem os critérios de sustentabilidade;
  • Caso veja algum filhote com problemas, ajude-o a chegar ao mar ou acione o Instituto.

Placas nas praias de Luís Correia sinalizam os cuidados necessários que se deve ter com os ninhos e filhotes de tartaruga (Foto: Reprodução/Instagram)


Rotas da Conservação

O projeto Rotas da Conservação é realizado pelo Instituto Tartarugas do Delta e é financiado por uma empresa privada. O projeto tem como principal objetivo localizar as principais áreas de desovas nas praias do litoral piauiense e sinalizá-las.  “Nosso objetivo é proteger os filhotes e liberar o maior número de filhotes ao mar”, explica a ONG. 

As praias de desova são extremamente importantes para a continuação do ciclo reprodutivo das fêmeas. Logo, é preciso minimizar os impactos causados pelo homem e que podem comprometer a vida destes animais. A Praia do Arrombado, em Luís Correia, é um exemplo de área de desova. Outras praias, como a Maramar e a praia Peito de Moça também são locais onde ninhos são encontrados com frequência. 

É permitida a reprodução deste conteúdo (matéria) desde que um link seja apontado para a fonte!

Compartilhar no
Edição: Adriana Magalhães

Deixe seu comentário