Picos

Picos: acusados de matar empresário Epaminondas Coutinho são condenados a mais de 110 anos

Penas somadas dos quatro réus ultrapassa os 100 anos de reclusão em regime fechado. Crime ocorreu em 2013.

09/09/2022 10:41h - Atualizado em 09/09/2022 10:53h

Compartilhar no

Os quatro acusados de agenciarem e executarem o assassinato do empresário Epaminondas Coutinho Feitosa foram condenados pelo crime de homicídio triplamente qualificado com penas que variam de 26 a 30 anos de reclusão. Os réus foram submetidos ao Tribunal do Júri e a sentença foi publicada nesta quinta-feira (08). As penas somadas ultrapassam os 110 anos de prisão.

De acordo com o documento, o Conselho de Sentença acatou todas as acusações contra os réus Tiago Osório Cavalcante, Yago Osório Cavalcante, Irinaldo José do Nascimento, conhecido como Teté, e Manoel dos Santos Matos, conhecido como Santinho. Segundo a denúncia do Ministério Público, os irmãos Tiago e Yago agenciaram a morte do empresário e foram os responsáveis por contratarem Irinaldo e Manoel para executarem o crime. Os irmãos, inclusive, foram flagrados em imagens de câmeras de segurança nas proximidades do local do assassinato.

Foto: Arquivo Pessoal

O empresário Epaminondas Coutinho foi morto a tiros em 08 de junho de 2013, quando chegava em casa com o filho, na cidade de Picos. Além dos quatro réus, a viúva do empresário, Antônia Sousa de Andrade Rocha, já havia sido condenada pela Justiça, em 2015, a 26 anos de prisão por ser a mandante do crime.

Para fixar as penas, a juíza Nilcimar Rodrigues de Araújo Carvalho levou em consideração, entre outros fatores, o fato do crime ter sido cometido nas proximidades da casa da vítima, bem como em horário em que ocorria um evento particular na vizinhança no qual participavam outras pessoas, dentre elas crianças, e algumas delas encontravam-se na rua no momento dos disparos contra a vítima.

A partir disso, Irinaldo José do Nascimento e Manoel dos Santos Matos foram condenados por homicídio cometido mediante pagamento ou promessa de recompensa, por meio cruel e mediante recurso que dificultou ou impossibilitou a defesa da vítima. Irinaldo José do Nascimento foi condenado a 26 anos, 4 meses e 13 dias de reclusão, enquanto Manoel dos Santos Matos foi condenado a 26 anos, 4 meses e 13 dias de reclusão pelo homicídio triplamente qualificado e 1 ano e três meses de prisão por posse ilegal de arma de fogo.

Já Tiago Osório Cavalcante foi apontado como sendo o agenciador e ter encomendado a morte do empresário. Ele foi condenado a 30 anos de reclusão. O irmão de Tiago, Yago Osório Cavalcante, foi condenado a 28 anos e sete meses de reclusão pelos mesmos crimes. 

Os réus Irinaldo e Tiago devem cumprir a pena inicialmente em regime fechado. Manoel é considerado foragido pela Justiça e teve a sua prisão preventiva decretada. Enquanto Yago foi solto pela Justiça decretada no decorrer do processo e poderá recorrer da sentença em liberdade.

É permitida a reprodução deste conteúdo (matéria) desde que um link seja apontado para a fonte!

Compartilhar no

Deixe seu comentário