Renegociar dívidas fazendo um empréstimo pessoal vale a pena?

Uma média de 48% dos consumidores brasileiros não conseguem controlar suas contas, o que acaba desequilibrando seu orçamento

04/07/2022 14:54h - Atualizado em 04/07/2022 15:02h

Compartilhar no

Devido a crise na economia, causada pelos últimos acontecimentos, algumas pessoas acabam comprometendo sua saúde financeira. Porém um jeito simples para equilibrar seu orçamento é fazendo uma renegociação das dívidas. 

Sabemos que atualmente existem cerca de 60 milhões de pessoas inadimplentes no Brasil. Além disso, os percentuais de endividamento e inadimplentes são maiores em 12 anos. De fato, a desorganização financeira é um grande problema cultural em nosso país. 

De acordo com uma pesquisa feita pela Confederação nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) e do Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil), uma média de 48% dos consumidores brasileiros não conseguem controlar suas contas, o que acaba desequilibrando seu orçamento e, mesmo aqueles que cuidam de suas finanças, apenas um terço faz o planejamento do mês com antecedência. É nessa fase que inicia-se o ciclo de endividamento.

Existem algumas formas de renegociar as dívidas, seja para a troca de dívidas caras, como as do cheque especial ou do cartão de crédito, que aplica uma taxa de juros alta, E também  negociação com as Casas Bahia (ou outro estabelecimento) para obter uma taxa de juros mais baixa.

Quais as situações que vale a pena contratar um empréstimo para quitar as dívidas

Um dos itens que levam as pessoas endividadas a fazerem escolhas não inteligentes no momento em que as contas não batem, é o medo e a desinformação sobre os empréstimos. 

Quando uma pessoa está com dívidas, geralmente se encontram desesperadas, o primeiro pensamento que vem em sua cabeça é de se desfazer dos bens, como veículos e casas. Mas será que essas alternativas são as melhores opção?

Tudo vai depender do momento. Sabemos que não é fácil vender uma casa, isso leva um tempo. Ao fazer isso você vai depreciar muito seu bem só porque está precisando do dinheiro. Por isso, esse momento não é muito propício para vender um bem.

Nestes casos, a contratação de um empréstimo junto a uma instituição financeira segura e tomando os devidos cuidados pode ser a única e melhor alternativa.

Ter o nome negativado por conta do endividamento é outra situação recorrente. A inadimplência no Brasil é bem mais alta. São mais de 61 milhões de pessoas com contas em atraso e cada uma deixou de pagar, em média, 3,5 contas no ano de 2021, segundo dados do Serasa Experian.

Caso seu nome esteja negativado, vale a pena contratar um empréstimo para quitar suas dívidas. Uma dica útil que os especialistas dão, é juntar todas as dívidas e realizar o pagamento à vista do valor total do débito. Se seu caso for este, é possível que você consiga um desconto de até 80% da dívida ao realizar o acordo e contratar um empréstimo para quitar também é uma ótima oportunidade.

Portanto, após seu nome estar limpo, não use seu crédito para fazer novas dívidas e correr o risco de se endividar novamente. 

Esse momento é ideal para equilibrar suas finanças, passar um pente fino nas suas despesas mensais, e eliminar o que não é necessário, juntar as prestações do seu empréstimo como despesa fixa pelo prazo que você se comprometeu e aproveitar para manter o equilíbrio da sua vida financeira.

Na hora de fazer um empréstimo quais os cuidados que devemos tomar?

Um dos cuidados que devemos ter, é sobre as taxas de juros aplicadas, que são elas: a taxa de juros efetiva e a taxa de juros nominal. 

O primeiro ponto antes de solicitar o empréstimo é fazer uma análise das suas taxas de juros efetiva, que são aquelas que estão sendo cobradas no contrato. A taxa de juros nominal parece, muitas vezes, como uma forma para atrair o consumidor por seu baixo valor. Por isso, a atenção maior é na taxa de juros efetiva.

Veja os cinco motivos para você negociar suas dívidas

Quando você faz a renegociação das suas dívidas é possível ter seu crédito de volta. 

Quando seu nome está sujo, tudo fica mais difícil, as chances de conseguir crédito no mercado diminui ficando muito baixa. Por isso, a recuperação do crédito é um dos motivos para que você faça a renegociação das dívidas.

Outro motivo para você fazer a renegociação das dívidas, é que seu nome fica limpo, com isso é possível fazer um financiamento ou mesmo realizar compras no crediário varejista. 

Com o nome limpo o consumidor pode alugar casas, comprar através da internet e em diversos estabelecimentos comerciais.

Outro motivo para você negociar suas dívidas é que seu dinheiro não foge da conta. Ao acumular dívidas, seu dinheiro não demora na conta, logo ele some, pois é usado para pagar as contas, muitas vezes nem dá para comprar o essencial. O cheque especial é um exemplo. Se o consumidor usar esse serviço e ainda não efetuou o pagamento, qualquer quantia de dinheiro que entrar na conta automaticamente é consumida para pagar as dívidas.

A tranquilidade é um dos principais motivos para fazer a renegociação das suas dívidas. 

Ao realizar a renegociação sua vida financeira fica organizada e você fica mais tranquilo.

Como posso negociar minhas dividas?

A primeira coisa que uma pessoa endividada deve fazer para renegociar suas dívidas, é saber realmente o valor da dívida. Para isso, é necessário procurar as instituições de análise de crédito, como SPC e Serasa, para fazer uma pesquisa do seu CPF.

Esse processo é muito importante, pois você pode  possuir dívidas que nem conhece, como algum boleto que ficou para depois e você acabou se esquecendo.

Em seguida, é importante entender bem como serão as condições da renegociação da dívida. 

É necessário que tudo esteja bem claro: o valor do desconto; se a quitação vai ser parcelada; se terá juros no parcelamento e se o pagamento à vista oferece mais desconto, entre outros. 

Ao obter todas essas informações, é hora de conseguir o dinheiro para pagar essa dívida.

É permitida a reprodução deste conteúdo (matéria) desde que um link seja apontado para a fonte!

Compartilhar no

Deixe seu comentário