Varíola dos Macacos: casos crescem 74% no mundo; Brasil teve "maior aumento", diz OMS

Os casos subiram 190,7% no País, considerando o relatório anterior, divulgado em 25 de julho.

13/08/2022 16:13h

Compartilhar no

O número de casos confirmados da varíola de macacos cresceu 74% (11.798 novos casos) em duas semanas, conforme dados da Organização Mundial da Saúde (OMS). O último relatório da OMS contabiliza 27.814 diagnósticos positivos de 89 países, além de seis mortes. Na última semana, o aumento foi de 19%. 
Segundo a OMS, 42 países relataram crescimento no número semanal de casos. O "maior aumento" foi registrado no Brasil. Os casos subiram 190,7% no País, considerando o relatório anterior, divulgado em 25 de julho, passando de 592 para mais de 1,7 mil. O relatório também inclui, pela primeira vez, registro de mortes fora de regiões endêmicas da África, na Espanha (2), Índia (1) e Brasil (1). O paciente brasileiro, que faleceu no dia 28 de julho, tinha 41 anos e "comorbidades, incluindo câncer (linfoma)". No total, são seis óbitos no mundo.

(Foto: Arquivo / O DIA)

A maioria dos casos notificados nas últimas quatro semanas, de acordo com a OMS, foram na região europeia (53%), seguida pela região das Américas (46%). Os países com maior número absolutos de notificações foram Estados Unidos da América (7.510), Espanha (4.577), Alemanha (2.887), Reino Unido ( 2.759), França ( 2.239) e Brasil (1.721).
Dez países relataram o primeiro caso nos últimos sete dias, de acordo com a OMS. Eles são Montenegro, Uruguai, Libéria, Sudão, Bolívia, Chipre, Guadalupe, Guatemala, Lituânia e São Martinho. Dos casos em que orientação sexual foi informada, 97% se referem a homens que fazem sexo com homens. No entanto, todos podem ser infectados independente da sexualidade.
Brasil
Conforme dados do Ministério da Saúde divulgados na sexta-feira, 12, e portanto, mais recentes que o relatório da OMS, o País tem 2.747 casos confirmados. São Paulo (1.919), Minas Gerais (133) e Rio de Janeiro (314) são os Estados com mais infecções confirmadas. Em duas semanas, o crescimento de notificações foi de 118,2%.
Prevenção
O contato íntimo - que inclui relações sexuais -, de pele com pele, com lesões de pessoas contaminadas, é apontado como a principal forma de transmissão da varíola dos macacos no surto atual, conforme especialistas. Porém, medidas como uso de máscaras e preservativos, higienização de mãos e o não compartilhamento dos chamados fômites (objetos capazes de transportar patógenos, como lençóis e toalhas) também podem ajudar a evitar a contaminação. Isso porque, explicam, outras formas de transmissão são conhecidas ou estão sendo estudadas.

É permitida a reprodução deste conteúdo (matéria) desde que um link seja apontado para a fonte!

Compartilhar no
Fonte: Estadão Conteúdo

Deixe seu comentário