Procura por reforço escolar aumenta 90% durante a pandemia

Muitos pais decidiram cancelar as matrículas e manter as crianças apenas no reforço escolar.

01/12/2020 15:29h - Atualizado em 01/12/2020 20:14h

Compartilhar no

Com a suspensão das aulas presenciais devido à pandemia do novo coronavírus, o reforço escolar acabou sendo a alternativa para muitos pais que sentem dificuldades em auxiliar os filhos no andamento das aulas remotas. Por conta disso, a procura por esse tipo de serviço dobrou durante o período da pandemia, é o que conta a pedagoga Brenda Lara, que trabalha com reforço escolar há um ano.


Leia mais: Escolas particulares se preparam para início do ano letivo em 2021 

Segundo ela, a quantidade de alunos aumentou cerca de 90% com a interrupção das atividades presenciais nas escolas, e isso se deve pelo fato de que, além da dificuldade de acompanhar o aprendizado dos filhos, muitos pais decidiram cancelar as matrículas e manter as crianças apenas no reforço escolar.

Foto: Jailson Soares/O Dia

“A maior quantidade de alunos veio depois que começou a pandemia, pelo fato das escolas não estarem ofertando as aulas presenciais. Muitos pais optaram por cancelar a matrícula e escolheram colocar no reforço para ter o acompanhamento de perto. A procura é tanta que estamos com uma lista de espera, com crianças aguardando outras entrarem de férias para começarem o reforço”, afirma.

A pedagoga explica que o Reforço Escolar Espaço Criança, localizado no bairro Morada Nova, zona Sul de Teresina, funciona com 10 crianças divididas em dois turnos, manhã e tarde, com idades entre três e oito anos de idade. Pela manhã, a turma é formada por alunos que estão matriculados no ensino regular e precisam de orientação extra classe. Já a turma do turno da tarde é formada por alunos que não estão matriculados em escolas e recebem aulas particulares.

Foto: Jailson Soares/O Dia

“Essas crianças da aula particular são da faixa etária entre seis e oito anos, que estão aqui para o aperfeiçoamento da escrita e da leitura. O que a gente faz é o básico, o alfabeto, os dígrafos, as famílias silábicas simples e complexas, produção textual, ensinando a produzir um texto, qual é a estrutura do texto e do poema. O conteúdo simples da alfabetização”, explica.

Brenda Lara destaca ainda que, devido à alta demanda, a equipe de profissionais deve dobrar em 2021 e mais uma turma deverá ser aberta para garantir mais vagas. A expectativa é que, durante o turno da tarde, duas turmas funcionem em horários diferentes no espaço.

Para garantir a segurança das crianças, a pedagoga esclarece também que todos os alunos devem usar máscara e fazer uso de álcool em gel. Além disso, os estudantes devem levar um par de chinelos para ser usado somente no reforço, e isolar os calçados que usam para ir até o local. Material e copos são de uso individual.

Foto: Jailson Soares/O Dia

Segundo ela, o retorno dos pais com alunos matriculados no reforço é positivo. “Todos os pais pretendem continuar, até pela questão da evolução das crianças e pelo rendimento, por ter também o desestresse por estar saindo de casa, os feedbacks são maravilhosos e todos garantiram continuar”, afirma.

A dona de casa Elza Brito é uma das mães que optou por matricular o filho Pedro Henrique, de 10 anos, no reforço escolar. A mãe relata que, mesmo em casa, não conseguia acompanhar com qualidade o aprendizado do filho. "Eu sentia muita dificuldade em ensinar, às vezes confesso que me faltava até um pouco de paciência, e ele, por não estar acostumado com as aulas remotas, tinha mais dificuldade do que antes pra entender alguns conteúdos, então a saída que eu encontrei foi procurar esse acompanhamento especializado de uma professora de reforço", afirma.

Ela destaca ainda que, por serem poucos alunos em classe, o reforço escolar lhe passou segurança de que o filho não seria exposto à contaminação do novo coronavírus. "No horário que ele estuda, é somente ele e mais duas crianças, é totalmente diferente de ter uma sala cheia de alunos, e a professora também toma todos os cuidados pra evitar o contágio, isso me deixou segura em fazer com que ele tivesse esse acompanhamento presencial", diz.

A dona de casa conta que, após o início das aulas de reforço, percebeu um avanço significativo no aprendizado do filho, além de contribuir para que a criança tenha contato presencial com um profissional qualificado. "Na idade dele, é muito diferente ter aulas presenciais e ter aulas remotas. Estando com a professora no reforço, ele consegue ter mais atenção e aprende mais do que somente assistindo pela tela. Hoje eu percebo o quanto está sendo importante para ele".

É permitida a reprodução deste conteúdo (matéria) desde que um link seja apontado para a fonte!

Compartilhar no
Por: Nathalia Amaral

Deixe seu comentário


Notícias Relacionadas