Com apoio de Moro, JVC espera viabilizar chapa alternativa com Washington Bonfim

Sérgio Moro virá ao Piauí no próximo dia 10 de Fevereiro, no que deve ser o ato de filiação de JVC ao Podemos

10/01/2022 09:39h

Compartilhar no

O ex-senador João Vicente Claudino  confirmou a interlocutores que o pré-candidato a presidência da República, Sérgio Moro (Podemos), virá ao Piauí no próximo dia 10 de Fevereiro, no que deve ser o ato de filiação de JVC ao Podemos. Em busca de viabilizar o seu nome na briga pela presidência,  Moro buscará fortalecer a aliança Podemos/Cidadania no estado. A aliança deve ter o professor  Washington Bonfim como cabeça de chapa para o governo do estado e João Vicente Claudino como vice-governador.

Neste final de semana Washington Bonfim iniciou as suas “rodas de conversa”, uma iniciativa para a discussão e formulação de propostas populares para a construção de um projeto de governo do educador. No último sábado Bonfim reuniu populares para discutir as necessidades das pessoas com deficiência no Piauí. Ao longo das próximas semanas outros segmentos devem ser reunidos.

A vinda de Moro ao Piauí deverá fazer parte da estratégia do jurista de difundir o seu nome pelo país, muito associado a operação lava-jato e atacado duramente, tanto por bolsonaristas, quanto por petistas, Moro enfrenta forte resistência fora dos grandes centros do sul e do sudeste do Brasil. A chapa Washington Bonfim/JVC ainda não definiu quem será o candidato ao senado, o nome do ex-secretário de Educação da capital, Kléber Montezuma, é o mais forte até o momento. O União Brasil pode ser outra sigla a compor com Cidadania e Podemos na aliança.

FOTO: Instagram Washington Bonfim

Dálogo com Dória

O governador de São Paulo e pré-candidato do PSDB à Presidência da República, João Doria, afirmou que a terceira via ainda será capaz de dialogar e se concentrar em menos nomes do que no atual cenário. "Haverá um juízo para se encontrar a melhor via. Em junho vamos ter essa concretude para que a terceira via possa ser expressada em um ou dois candidatos. Lembrando que Ciro Gomes (PDT) será candidato até o final", disse Doria em entrevista ao programa Canal Livre, da Band, na noite deste domingo, 11.
Doria mantém em aberto a possibilidade de uma aliança com Sergio Moro (Podemos), com quem se reuniu em dezembro na casa da presidente nacional do partido do ex-juiz, Renata Abreu. "O encontro com Moro foi bom. Eu gosto dele, o mundo da política não gosta. Vamos manter o diálogo até maio, junho, e lá ver quem tem maior viabilidade para disputar em nome da terceira via."
Apesar de Jair Bolsonaro (PL) aparecer em segundo lugar nas pesquisas eleitorais, o governador paulista acredita que o presidente perderá a chance da reeleição ainda no primeiro turno Para Doria, apesar de as alternativas da terceira via ainda terem desempenho fraco nas pesquisas, uma dessas opções enfrentará Luiz Inácio Lula da Silva (PT) no segundo turno.
"Nenhuma pesquisa antecipa resultado, ela revela apenas o retrato momentâneo. Mesmo com 20% ou 25% nas pesquisas, não acredito que Bolsonaro vá para o segundo turno, o vejo em declínio. Ele se autodestrói, é o seu maior adversário", afirmou
Além do desempenho nas pesquisas, Doria citou outros dois fatores essenciais para que se chegue a um consenso sobre o candidato da terceira via: resiliência para enfrentar a "campanha suja" de Bolsonaro e Lula e questionamento sobre a capacidade de administrar o Brasil.
"O País vai fazer um novo teste? Olha o que deu o teste com Bolsonaro. Desastre na economia, no plano social, na saúde. Testamos errado, erramos na mosca. Imaginamos eleger um sonho e ganhamos um pesadelo", declarou o governador.

É permitida a reprodução deste conteúdo (matéria) desde que um link seja apontado para a fonte!

Compartilhar no
Fonte: Com informações Estadão Conteúdo

Deixe seu comentário