Com medo de perder espaço, petistas do Piauí são contra federação com outros partidos

A estratégia colocaria lado a lado inimigos políticos e dificultaria a estratégia de deputados petistas que possuem um menor potencial de votos.

16/12/2021 10:35h - Atualizado em 16/12/2021 10:41h

Compartilhar no

Mais uma polêmica dentro do PT no Piauí. A executiva da legenda se reuniu e o “sentimento” da maioria dos filiados é contrário à formação de uma federação com outros partidos em 2022. Com a mudança na legislação, partidos poderão formar alianças por quatro anos e disputar a eleição com uma espécie de coligação duradoura, que deve permanecer até 2026. A estratégia, porém, colocaria lado a lado inimigos políticos e dificultaria a estratégia de deputados petistas que possuem um menor potencial de votos.

No âmbito nacional o ex-presidente Lula costura um acordo com Pc do B, PSB e PV para formar uma ampla federação. No Piauí, a estratégia colocaria na ala petista uma das líderes da oposição, a deputada Teresa Britto, por exemplo. Além disso, a aliança com outras legendas poderia tirar espaço de deputados do PT e eleger outros aliados.

Membro do diretório estadual o vereador Dudu (PT) criticou a medida e revelou os bastidores da última reunião executiva da sigla. “Parte da executiva esteve reunida, há um impacto muito grande aqui no Piauí, esse impacto está acontecendo no Brasil todo. O PT já decidiu que aceita até dois deputados que estão na Assembleia, com a federação esses candidatos que poderiam estar no PT podem ir para outros partidos que farão parte da federação, por exemplo o PSB. O quantitativo de candidatos mudará, sou contra essa possibilidade. O PV, o PC do B e o PSB não tem relação com o PT em vários estados, o sentimento no Piauí é contra a federação”, falou o parlamentar.

FOTO: Assis Fernandes/ODIA

Teresa Britto irá “refletir”

Critica ferrenha do Partido dos Trabalhadores e opositora incisiva de Wellington Dias no Piauí, a deputada Teresa Britto deu indícios de que pode ficar no PV, mesmo com a aliança com o PT. Para Teresa a estratégia eleitoral seria uma alternativa razoável. Vice-presidente nacional do PV, a deputada afirmou que irá fazer uma reflexão sobre a permanência. “Existe um grupo que está discutindo a nível nacional essa possível federação, o próprio presidente está junto. Estamos esperando uma reunião da executiva como um todo. Não estou fazendo parte desse grupo, eu sou apaixonada pelo Partido Verde e tenho uma longa história nele, desde 2003 estou na sigla. Temos feito um trabalho com o PV, precisa fazer uma reflexão bem longa, se ele participar de uma federação ele continuará com a sua independência, mas precisamos fazer uma reflexão”, finalizou a parlamentar.  

FOTO: Thiago Amaral/Ascom Alepi


É permitida a reprodução deste conteúdo (matéria) desde que um link seja apontado para a fonte!

Compartilhar no

Deixe seu comentário