Em meio a enchentes, Defesa Civil tem um dos menores orçamentos de Teresina

A defesa civil foi criada após um acordo com político de Dr. Pessoa com o partido Avante, para acomodar o suplente de vereador Carlos Ribeiro

04/01/2022 10:24h - Atualizado em 04/01/2022 13:36h

Compartilhar no

A grave crise vivida pela população de Teresina após as fortes chuvas que atingiu a cidade nos últimos dias pode piorar. Tratada como um cabide político pelo prefeito de Teresina, Dr. Pessoa, a Secretaria de Defesa Civil, responsável direta por formular ações de prevenção e combate as enchentes, tem o quarto menor orçamento entre as secretarias da cidade. A defesa civil foi criada após um acordo com político de Dr. Pessoa com o partido Avante, para acomodar o suplente de vereador Carlos Ribeiro, aliado de Marcelo Castro.

De acordo com algumas fontes da pasta, a Defesa Civil não possuiria sequer a estrutura mínima para atuar em meio às enchentes, até mesmo os veículos seriam insuficientes para o trabalho. Em 2022 a secretaria receberá R$ 4,3 milhões de reais como orçamento, uma média mensal de R$ 362 mil. O montante é maior apenas das secretarias da Juventude, Agropecuária e Mulheres. Para se ter uma ideia, só o gabinete do vice-prefeito, Robert Rios, que também acumula a secretaria de Finanças, terá mais de um milhão de reais, 27% da receita da defesa civil. Os números estão na Lei Orçamentária Anual 2022.

O vereador Paulo Lopes (PSDB), que já secretario em gestões anteriores, lamentou a baixa dotação orçamentária da defesa civil e criticou a atuação da pasta. “É muito preocupante, essa gestão prometeu redução de despesas, mas pelo contrário criou secretarias. A secretaria de defesa civil da forma como foi prevista e criada era para estar atuando de forma mais incisiva e dando uma resposta mais rápida. Temos acompanhado a população reclamando dos atendimentos. Esse volume de recurso é irrisório, vai dar apenas para pagamento de pessoal e a questão das despesas sociais e previdenciárias. Com certeza não vai poder fazer grande coisa”, afirmou.

FOTO: Assis Fernandes/ODIA

Insatisfação de Dr. Pessoa

Informações de bastidores mostram que Dr. Pessoa estaria insatisfeito com a falta de atuação da Defesa Civil em meio a crise. Até o momento cerca de 170 famílias estão desabrigadas em Teresina, desde o último dia 31 de dezembro, quando as chuvas se acentuaram na capital, o nível dos rios e lagoas têm aumentado diariamente, afetando principalmente moradores da zona norte de Teresina. Um homem de 37 anos faleceu no último sábado após o seu carro ser arrastado por uma enxurrada no bairro satélite, zona leste da capital . A Secretaria de Comunicação da Prefeitura foi consultada, porém não se manifestou até a publicação da matéria. 

É permitida a reprodução deste conteúdo (matéria) desde que um link seja apontado para a fonte!

Compartilhar no

Deixe seu comentário