Justiça bloqueia R$ 6,5 milhões de empresa que vendeu livros para a Prefeitura de Teresina

O juiz destaca que a liminar foi concedida a fim de resguardar a garantia do resultado útil do processo

18/01/2022 08:25h - Atualizado em 18/01/2022 08:37h

Compartilhar no

O  Juiz de Direito da 2ª Vara dos Feitos da Fazenda Pública da Comarca de Teresina,  João Gabriel Furtado Baptista, deferiu medida cautelar solicitada pelo Ministério Público do Piauí,  por meio da 42ª Promotoria de Justiça,  para bloqueio via SISBAJUD ( Sistema de Busca de Ativos do Poder Judiciário) do valor de 6.500.000,00 (seis milhões e quinhentos mil reais),   das contas da Editora BP Comércio e Serviço de Edição de Livros LTDA,  correspondente ao repasse efetuado pelo município de Teresina.

Nessa segunda-feira (18), o Ministério Público ingressou com pedido de medida cautelar preparatória com tutela de urgência solicitando ao Poder Judiciário o bloqueio do recurso utilizado para a compra de exemplares de livros paradidáticos.  No dia 17 de novembro de 2021, foi publicado no Diário Oficial do município de Teresina, contrato n.196/2021/SEMEC/PMT que trata de aquisição de 100.000,00  (cem mil) exemplares do livro Teresina Educativo, de autoria de Braulino Teófilo Filho para compor os acervos bibliográficos das escolas municipais da Secretaria Municipal de Educação, de ensino fundamental de 1º a 9º anos.


Leia Mais: 

Empresa que vendeu livros para a Prefeitura de Teresina é investigada por superfaturamento 
Escândalo na educação de Teresina: TCE determina suspensão da compra milionária de livros 
Em meio a denúncias, Dr. Pessoa vira meme ao dançar forró em restaurante de luxo 
Compra milionária de livro pela Prefeitura de Teresina é alvo de nova denuncia ao TCE-PI 


O juiz destaca que a liminar foi concedida a fim de resguardar a garantia do resultado útil do processo.   O Promotor de Justiça, Francisco de Jesus, questiona  a licitude da contratação por parte do município de Teresina quanto a Editora para fornecimento de livro Teresina Educativo,  celebrado por meio de Processo de Inexigibilidade de Licitação nº 04/2021/SEMEC, sem que tenha sido observada a indicação de sua necessidade, o que constitui um fato grave.

Fachada da sede da empresa no subúrbio de Manaus, no Amazonas FOTO: Google Street View

É permitida a reprodução deste conteúdo (matéria) desde que um link seja apontado para a fonte!

Compartilhar no
Fonte: Com informações MPPI

Deixe seu comentário