Pré-candidato ao governo, Alessander Mendes diz que é a hora de novo grupo no poder

O professor é mestre em direito e gestão de conflitos e se apresenta como uma via alternativa para o estado.

25/03/2022 12:04h - Atualizado em 25/03/2022 12:16h

Compartilhar no

O presidente estadual do Podemos no Piauí, Fábio Sérvio, oficializou, na manhã desta sexta (25) a pré-candidatura de Alessander Mendes para o governo do Piauí. Alessander  é mestre em direito e gestão de conflitos e chega à sigla para disputar o palácio de Karnak com Rafael Fonteles, Silvio Mendes, Major Diego e Washington Bonfim, pré-candidatos já confirmados. No Piauí o Podemos formará o palanque para o presidenciável Sérgio Moro.

Em entrevista Alessander explicou o que motivou a sua candidatura. “Em momentos da nossa vida a gente tem que fazer algumas reflexões, chego aos 40 anos com todo o esforço e muita dificuldade, tem um momento que a gente precisa ser grato a vida e as pessoas que nos ajudaram. Durante 25 anos da minha vida ministrei aulas, descobri uma missão de vida como professor. As vezes é preciso muito mais, como mediador de conflitos percebi que é preciso atuar em um outro campo. A ideia foi me colocar através de uma filiação partidária. Dialoguei com os meus familiares e eles me apoiaram na decisão” declarou.

O professor destacou também que não fará a política do “vale tudo”. “Tive o privilégio de ser recebido no Podemos que me recebeu bem. Acho que precisamos levar valores para a política, não preciso fazer uma política do tudo ou nada, de desconstruir grupos familiares. A ideia é discutir a problematização que o estado tem construindo vários agentes que podem fazer parte desse processo. São os olhares sobre os conflitos que versam sobre o estado do Piauí que nos motivam a ser esse agente aglutinador desse processo necessário e transformador para o estado do Piauí”, concluiu.

FOTO: Arquivo Pessoal

Washington Bonfim descartado

Em entrevista Fábio Sérvio confirmou que a candidatura de Washington Bonfim está descartada pelo Podemos. “Reformulamos a estratégia do partido, tínhamos um prazo para definir e buscamos um nome que representasse o anseio da população, mas que carregasse o preparo, o conhecimento e a capacidade de dialogar. A gente não conseguiu casar esses dois tempos, mas acho o Washington é uma pessoa preparada para concorrer ao governo”, finalizou o dirigente partidário. 

É permitida a reprodução deste conteúdo (matéria) desde que um link seja apontado para a fonte!

Compartilhar no

Deixe seu comentário