PT perde em número de prefeituras e resultado acende alerta na sigla para 2022

No comando do Governo do Estado, sigla vê aliados e a oposição ganharem força para disputar a sucessão do governador Wellington Dias

23/11/2020 10:36h

Compartilhar no

Dentre os partidos com o maior número de prefeitos eleitos no pleito deste ano, o PT foi o único que perdeu em quantidade de gestores municipais que vão comandar cidades a partir de janeiro de 2021. Apesar do resultado satisfatório em Teresina, onde a sigla conseguiu ter um candidato a prefeito bem votado – para os índices da sigla na Capital – e aumentar a bancada de vereadores, o partido perdeu prefeituras de cidades importantes, como Campo Maior, Picos, Altos, Esperantina, Miguel Alves, dentre outras. 

Para o deputado estadual Francisco Limma, presidente regional do partido, é preciso analisar os números dentro de uma conjuntura que envolve o PT e demais partidos aliados. Ele ressalta que apesar da queda no número de prefeitos eleitos, a sigla manteve a mesma densidade eleitoral, tendo praticamente a mesma quantidade de votos da última eleição. 

(Foto: Arquivo/ODIA)

“Toda eleição acende um alerta e tem que ser analisada à luz do dia a dia. Do ponto de vista individual ganhamos umas cidades, perdemos outras, tudo dentro da margem na normalidade da disputa democrática”, diz o dirigente da sigla, tentando minimizar os resultados negativos.

Francisco Limma cita ainda que dentro do contexto de discussão relacionado o resultado com a base aliada do governo estadual, o resultado foi satisfatório. “Nós estamos sofrendo os efeitos do que o PT teve em outros estados em 2016, o nosso veio agora em 2020. Porém nós fazemos parte de um bloco maior, que envolve o MDB, o PTB, o PSD, o Republicanos, o PL, e este bloco venceu em 132 prefeituras e tivemos uma votação de 300 mil votos maior que a dos partidos de oposição”, pontua o parlamentar.

É permitida a reprodução deste conteúdo (matéria) desde que um link seja apontado para a fonte!

Compartilhar no
Por: Breno Cavalcante e João Magalhães

Deixe seu comentário