Advogado usa documento falso para soltar preso em Teresina

Esta é a primeira vez que um preso foi solto nesta delegacia usando esse golpe, mas já houveram outras quatro tentativas.

03/11/2020 17:23h

Compartilhar no

Um advogado, que não teve a identidade revelada pela Polícia Civil, usou um ofício falso para soltar um homem detido no 21º Distrito Policial, no bairro Jardim Europa, zona Sudeste de Teresina. O homem estava preso por não pagar pensão alimentícia. O caso ocorreu na semana passada.


Leia mais: Teresinense morre afogado em Jericoacoara 

Segundo informações do titular do 21º DP, Odilo Sena, o advogado apresentou um ofício falso para o agente de polícia que estava de plantão e conseguiu soltar o preso. Ele ainda teria tentando soltar outro homem que estava detido, mas este não tinha dinheiro para pagar o advogado.

Delegado Odilo Sena. Foto: Jailson Soares/O Dia

“Infelizmente alguns advogados se utilizam de má fé, porque essas decisões que eles trazem, pra essa questão de pensão alimentícia principalmente, é uma decisão que não é auto executável, existe uma decisão genérica, mas o juiz de Primeiro Grau deve se manifestar especificamente em cada caso, não de maneira genérica”, explica o delegado.

De acordo com o delegado, o advogado teria utilizado um documento como se este se aplicasse ao caso em questão do homem detido na delegacia. Esta é a primeira vez que um preso foi solto nesta delegacia usando esse golpe, mas já houveram outras quatro tentativas.

O caso está sendo investigado pela Delegacia Geral do Piauí e a Polícia Civil deve notificar a Ordem dos Advogados do Brasil, Seccional Piauí, sobre o caso, para que a entidade tome as providências cabíveis em relação a conduta do advogado. O policial civil que autorizou a soltura do preso também deverá ser investigado administrativamente pela Corregedoria da Polícia Civil.

A OAB informou ao O DIA que ainda não tomou conhecimento sobre o fato e aguardará notificação oficial.

É permitida a reprodução deste conteúdo (matéria) desde que um link seja apontado para a fonte!

Compartilhar no
Por: Nathalia Amaral e Chico Filho.

Deixe seu comentário