Aulas devem ser suspensas caso alunos testem positivo para covid; grupo de pais é contra

A nota técnica da Sesapi dispõe sobre o afastamento de alunos e suspensão das aulas presenciais com a confirmação de casos de covid-19 nas escolas.

28/01/2022 12:14h - Atualizado em 28/01/2022 12:25h

Compartilhar no

O  retorno das aulas presenciais continua a ser palco de embates entre pais e autoridades de Saúde no Piauí. Desta vez, o motivo para a divergência é a Nota Técnica publicada, na última quarta-feira (26), pela Secretaria de Estado da Saúde (Sesapi) que dispõe sobre o afastamento de alunos e suspensão das aulas presenciais com a confirmação de casos de covid-19 nas escolas.


Leia também: Covid: média móvel de casos aumenta quase 300% no Piauí 


Foto: Divulgação/Seduc

Segundo a determinação, as instituições de ensino devem suspender temporariamente as aulas presenciais em três situações:

Situação 1: Na ocorrência de dois ou mais casos suspeitos ou confirmados de covid-19, no qual os envolvidos convivam na mesma sala de aula e não tenham tido contato com outras turmas, as aulas presenciais desta sala serão suspensas por uma semana (7 dias);

Situação 2: Na ocorrência de dois ou mais casos suspeitos ou confirmados no qual os envolvidos sejam de salas diferentes ou tenham tido contato com outras turmas no mesmo turno escolar, as aulas presenciais do turno escolar serão suspensas por uma semana (7 dias);

Situação 3: Na ocorrência de dois ou mais casos suspeitos ou confirmados no qual os envolvidos sejam de salas diferentes ou tenham tido contato com outras turmas em outros turnos, as aulas presenciais na instituição ou unidade de ensino serão suspensas por uma semana (7 dias);

Para os pais que integram o Movimento Volta às Aulas, que pede a reabertura de todas as escolas de forma presencial, a determinação da suspensão das aulas, conforme o que determina a nota técnica, é considerada "inaceitável". De acordo com a servidora pública Ilara Madeira, uma das mães que compõe o grupo, o afastamento de alunos que não tiverem o diagnóstico confirmado para a covid-19 pode prejudicar o retorno dos estudantes ao ambiente escolar.

Foto: Divulgação/Seduc

“Isso é inaceitável! Isso é o mesmo que mandar fechar as escolas pra sempre! Porque desde sempre criança gripa na escola. E da forma que colocaram, se um aluno gripar do turno da manhã e outro do turno da tarde, tem que fechar a escola toda. O fechamento de escolas foi o maior erro da pandemia. Não tem mais nenhum cabimento isso. Nenhum local da sociedade existe afastamento de pessoas saudáveis e não vamos aceitar que façam isso com as crianças nas escolas”, enfatiza.

Segundo ela, o avanço da vacinação entre as crianças e funcionários das escolas, incluindo professores, traz o cenário favorável para o retorno das aulas presenciais. “No ano passado, ninguém tinha tomado vacina, e deu tudo certo. Não tem porque não dar certo agora que temos todos os profissionais vacinados com três doses e parte dos alunos já iniciando a vacinação infantil”,  declara.

Em nota, a Sesapi informou que a nota técnica tem o propósito de regulamentar as aulas presenciais da rede pública e privada de ensino, em todos os níveis educacionais, e não de fechar escolas, de modo a assegurar o direito à saúde e à Educação no cenário de emergência de Saúde Pública, cuja adesão dos segmentos econômicos e sociais, da população e de cada cidadão aos protocolos sanitários é condição precípua para vencer a pandemia. 

O órgão destacou ainda que as aulas presenciais continuam mantidas no Piauí e que os sistemas híbrido e remoto devem ser adotados somente em casos excepcionais. “Afastamento de alunos por casos Covid-19 das aulas presenciais (Situações de alerta) são medidas indispensáveis para interromper a cadeia de transmissão do ciclo do vírus, cuja suspensão temporária (7 dias) visa assegurar a continuidade das aulas presenciais”, afirma.

A Sesapi disse ainda que o protocolado atual flexibiliza medidas que estavam sendo adotadas no ano passado, como por exemplo, o período de afastamento a partir da confirmação de um caso suspeito ou confirmado.

“Não há afastamentos das turmas se somente o professor for contaminado, para tanto, se exige o uso de máscara que garanta maior proteção. Anteriormente, a suspensão das aulas presenciais temporariamente ocorria a partir de um caso suspeito ou confirmado entre alunos e por 14 dias. Atualmente, a partir de 2 casos suspeitos ou confirmados de Covid-19 entre os alunos e por 7 dias”, completa.

É permitida a reprodução deste conteúdo (matéria) desde que um link seja apontado para a fonte!

Compartilhar no

Deixe seu comentário