Consulta ao cardiologista é pré-requisito antes de atividade física

Nem todo mundo procura uma avaliação médica antes de começar a correr, jogar futebol ou mesmo praticar atividades funcionais

18/06/2019 08:37h

Compartilhar no

É comum que as pessoas resolvam iniciar uma prática esportiva da noite para o dia. Caminhadas nos parques, ciclismo, corrida entre outras. Os objetivos são os mais variados, mas nem todo mundo procura uma avaliação médica antes de começar a correr, jogar futebol ou mesmo praticar atividades funcionais. Atualmente, com o aumento da procura por exercícios de competição como maratonas e corridas de grande performance este cuidado deve ser redobrado. 

O alerta é do cardiologista da rede Hapvida, Frederico Fonseca. “É importante que antes de começar a praticar exercícios se procure um médico cardiologista para uma avaliação, exame físico para eventualmente ver se não existe nenhum sopro cardíaco ou nenhuma anormalidade. Dependendo da faixa etária, teste de esforço, para que se possa avaliar o órgão por completo”, explica o médico”. 

Consulta ao cardiologista é pré-requisito antes de atividade física. (Foto: Arquivo O DIA)

O alerta vale principalmente para pessoas acima de 30 anos de idade. "Após algum tempo parado o corpo já sofre os efeitos do sedentarismo, independentemente do tempo que você treinou anteriormente. Cada pessoa tem suas características e necessidades próprias, o que exige uma avaliação médica e nutricional individualizada. Toda pessoa, praticante de atividade física ou não, deve cuidar de sua saúde e alimentação, sempre com orientação de profissionais da área", alerta também o profissional de Educação Física Alex Douglas. 

"A principal meta de quem começa a treinar após ter ficado muito tempo parado deve ser reabituar o corpo à prática regular de exercícios", explica Alex Douglas. Segundo o educador físico, emagrecer ou ganhar tônus muscular devem ser objetivos secundários nesse retorno. Isso porque o retorno ao treino, na maioria das situações, traz os mesmos desafios de uma primeira experiência com exercícios. 

Elaine Albuquerque, 42 anos é um exemplo. Mesmo sendo educadora física ela procurou o cardiologista para fazer uma avaliação. “Como passei muito tempo parada, trabalhando na parte burocrática e agora vou voltar a me exercitar bastante eu estou tomando este cuidado”, explica. Eliane vai retornar à rotina de exercícios porque mudou de funções no trabalho e voltará a praticar atividades física voltada para a terceira idade. Os atletas de final de semana são considerados praticamente sedentários. 

“É necessário que a atividade física seja feita de forma progressiva, para que se possa aumentar lentamente sua capacidade, criando uma adaptação de todo o organismo. O ideal é que o exercício físico seja feito no mínimo 3 vezes por semana, pelo menos por 30 minutos”, indica o cardiologista.

Pesquisas apontam a necessidade de práticas de prevenção 

No mundo inteiro morrem cerca de 17 milhões em decorrência de infarto. No Brasil, são aproximadamente 80 mil mortos por ano. Metade das pessoas que têm doença nas artérias do coração, apresentam como primeiro sintoma o infarto. Os dados são da Sociedade Brasileira de Hemodinâmica e Cardiologia Intervencionista (SBHCI).  Mais de 70 mil brasileiros morrem vítimas de infarto a cada ano. Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), o infarto agudo do miocárdio – mais conhecido como ataque cardíaco - mata 15 milhões de pessoas no mundo por ano. 

É permitida a reprodução deste conteúdo (matéria) desde que um link seja apontado para a fonte!

Compartilhar no
Fonte: Da Redação

Deixe seu comentário