Dose de reforço contra covid: menos de 30% dos idosos tomaram a vacina no Piauí

A dose de reforço foi autorizada há 3 meses pelo Ministério da Saúde. No Piauí, 17 mil idosos não voltaram nem para receber a segunda dose das vacinas contra a covid:

15/12/2021 11:44h - Atualizado em 15/12/2021 13:01h

Compartilhar no

Que a população idosa é mais vulnerável a adoecer com as formas graves da covid-19 não é mais novidade. O que tem preocupado as autoridades em saúde no atual momento é a taxa de retorno das pessoas acima de 60 anos para completar o esquema vacinal contra o coronavírus, que consiste em duas doses e uma dose de reforço. É que mostra os dados do Centro de Inteligência em Agravos Tropicais, Emergentes e Negligenciados, divulgados hoje (15) pela UFPI.


Leia também: Vacina Covid: Sesapi atende parecer da Anvisa e mantém prazo da dose de reforço 


Em agosto passado, o Ministério da Saúde anunciou o uso da dose de reforço para idosos e alguns grupos específicos como os imunossuprimidos a partir de setembro. Em novembro, foi anunciada a ampliação da dose de reforço para todos os públicos acima de 18 anos. 


Foto: Assis Fernandes/O Dia

A partir de dados do Sistema de Informação do Programa Nacional de Imunização (SI-PNI), do Ministério da Saúde, a porcentagem de idosos que receberam a dose de reforço no Piauí está em 27,07%, ou seja, não chega nem a 30% do público-alvo. Significa dizer que 117.283 idosos receberam a terceira dose (imunizantes Pfizer, Coronavac e AstraZeneca) ou a segunda dose (imunizante da Janssen).

Já entre os adultos acima de 18 anos, no Piauí apenas 8,45% já receberam a dose de reforço. “Como se vê na pirâmide de vacinação para o Estado do Piauí, vacinados com a dose de reforço ainda porção muito reduzida das faixas-etárias abaixo dos 60 anos. A cobertura ainda é maior, ainda que aquém do esperado, para os grupos acima dessa faixa, pelos quais a dose de reforço se iniciou”, diz o estudo.


Foto: Divulgação

Com relação à segunda dose, ela também tem sido motivo de alerta das autoridades. Os dados da pesquisa divulgada pela UFPI revelam que mais de 17 mil idosos não retornaram para tomar a segunda dose das vacinas contra a covid-19 no Piauí. Isso corresponde a 3,6% dos vacinados com a primeira dose. Embora o número seja considerado mínimo, ele representa alerta uma vez que a taxa de letalidade da doença nos não vacinados é comprovadamente maior e o risco de disseminação é mais rápido, também.

Até o dia 01 de dezembro, o Estado tinha vacinado cm a segunda dose 207.105 idosos do sexo masculino e 247.994 idosas do sexo feminino. Isso totaliza 455.099 doses administradas e ultrapassa 100% da população idosa projetada pelo IBGE para 2021. No entanto, mesmo com a segunda dose tendo uma cobertura razoável, com apenas 3,6% de taxa de não retorno, a aplicação da dose de reforço no Estado entre os idosos está aquém do esperado, seguindo abaixo de 30%.

Com relação à primeira dose, entre os idosos do Piauí o número de vacinados do sexo masculino chega a 215.370. Já os idosos vacinados do sexo feminino correspondem a 256.735 pessoas. Isso totaliza 472.105 doses administradas em pessoas acima de 60 anos no Piauí, um patamar que, assim como a segunda dose, ultrapassa os 100% da população idosa projetada pelo IBGE para 2021.

É permitida a reprodução deste conteúdo (matéria) desde que um link seja apontado para a fonte!

Compartilhar no

Deixe seu comentário