Hemopi teve acréscimo de 11% nas doações de sangue em 2021

O Centro de Hematologia e Hemoterapia do Piauí (Hemopi) fecha o ano de 2021 com mais de 44 mil doações de sangue

17/01/2022 14:44h

Compartilhar no

Mesmo com os desafios impostos pela pandemia da Covid-19, o Centro de Hematologia e Hemoterapia do Piauí (Hemopi) fecha o ano de 2021 com mais de 44 mil doações de sangue, o que possibilitou atender a demanda transfusional do Piauí. Neste mesmo ano, o Hemopi também cadastrou 1.609 possíveis doadores de medula óssea.

O hemocentro recebeu, no ano passado, 44.665 bolsas de sangue, o que representa um aumento de 11,25% se comparado a 2020, no qual foram feitas 39.644 doações de sangue. O Hemopi é o único hemocentro do Estado, sendo responsável pelo fornecimento de hemocomponentes para toda a rede pública hospitalar e parte da rede privada.

(Foto: Assis Fernandes/ODIA)

Em 2021, o hemocentro foi em busca de novas parcerias e ações que pudessem atrair mais doadores e fidelizar também os que já fizeram uma doação em algum momento da vida.

“Tivemos um aumento no número de parceiros e adotamos ações diferenciadas que tiveram um apoio da população que atendeu ao chamado e ajudou a alavancar o número de doações em 2021. Isso foi fundamental para conseguir atender a demanda dos hospitais. Nós só temos a agradecer a todos os doadores e parceiros que se propuseram a ajudar o Hemopi”, disse o diretor-geral Jurandir Martins Filho.

A empreendedora Aline Lustosa, que mesmo residindo na cidade de Esperantina (região Norte do Piauí), se deslocou até Teresina para realizar a sua primeira doação de sangue conta que esse foi um fato que a marcou. “Sempre foi a maior vontade ajudar, mas somente hoje concretizei esse momento. Um dia emocionante e de muita felicidade”, relatou.


Hemoaniversário

Uma das ações que teve grande repercussão e adesão em 2021 foi o Hemoaniversário. Tanto que o número de doadores que comemoraram o seu aniversário no Hemopi merece destaque. Com uma média de dois aniversariantes por mês, a ação do Hemoaniversário bateu todos os recordes dos anos anteriores, totalizando 25 aniversariantes

A oficial do Corpo de Bombeiros da cidade de Picos (PI), Thaís Farias, está sempre nas suas redes sociais divulgando sobre a importância de doar sangue. Fidelizada – ela que já fez mais de 20 doações de sangue – em 2021 resolveu inovar e comemorou o aniversário no Hemocentro Regional de Picos.

“Todas as vezes em que me dirigi ao Hemocentro de Picos foi movida pela força do amor. Eu sou doadora voluntária e compareço regularmente a cada quatro meses para doar. A sensação de salvar vidas é inexplicável. Agradeço pela equipe de profissionais do hemocentro que sempre me recebe com carinho”, afirma a bombeira .

(Foto: Assis Fernandes/ODIA)

Funcionário de uma concessionária de carros, o vendedor Pablo Bastos foi um dos que comemorou o aniversário no Hemopi em 2021. “Eu quero agradecer por toda a atenção que a equipe teve por mim. Foi muito emocionante, foi o aniversário mais marcante que tive. Faça pelo menos duas doações por ano, você não imagina que esse ato salva muitas vidas. Ainda hoje fico arrepiado com esse momento”.

Já, Bárbara Andressa comemorou seus 24 anos no Hemopi, e trouxe a família e alguns amigos para colaborar. “Fiquei extremamente feliz pela doação e por todo o apoio que tive. Agradeço a todos que compareceram. E ao Hemopi também pela recepção e acolhimento nesse momento. Foi um aniversário ímpar”.

“Pretendemos dar continuidade ao Hemoaniversário, buscando assim incentivar mais e mais doadores a participarem dessa ação. Lembramos que qualquer doador, que tem interesse em comemorar seu aniversário em qualquer unidade do Hemopi, pode agendar através do e-mail: [email protected]”, frisou o diretor.


Sangue raro

O Hemopi possui um Laboratório especializado em identificar tipos sanguíneos raros, o que possibilitou ampliar em 20% o cadastro de doadores em 2021.

No Laboratório de Imuno-Hematologia existem seis mil doadores fenotipados catalogados por meio de um trabalho minucioso. A pesquisa de doadores raros é uma prática pouca realizada no País. O Hemopi é um dos hemocentros que possui esse serviço de fenotipagem. “O nosso objetivo é encontrar essas raridades e garantir a segurança Transfusional. É um trabalho minucioso que ajuda a salvar pacientes dentro e fora do Estado”, explica Pedro Afonso, supervisor do laboratório.

Pedro Afonso explica que existem “níveis” de raridade. “Temos seis mil doadores fenotipados cadastrados em nosso laboratório, no entanto, somente 20 destes possuem um tipo sanguíneo raríssimo. Isso é um numero muito bom se considerarmos que existem mais de 300 tipos de sangue conhecidos e esse número não é definitivo”.


Cadastro de Medula Óssea

Além da doação de sangue, o Hemopi também é responsável pela realização do cadastro para doação de medula óssea. Em 2021, o hemocentro cadastrou 1.609 voluntários como possíveis doadores de medula.

Em 2021, o Ministério da Saúde mudou alguns critérios relacionados ao cadastro de novos doadores de medula óssea, como a diminuição da idade limite para 35 anos (antes era 55 anos) e o teto de novos cadastros para os estados. O teto estabelecido para o Piauí foi de 2.363 novos cadastros/ano.

É permitida a reprodução deste conteúdo (matéria) desde que um link seja apontado para a fonte!

Compartilhar no
Fonte: Com informações da Ccom

Deixe seu comentário