Piauí vai testar iniciativas de Medellín e Recife para reduzir violência no Estado

Em Teresina, o primeiro projeto que seguirá o modelo da Colômbia, de Pernambuco e do Pará será implementado no bairro Mocambinho.

14/03/2022 10:42h

Compartilhar no

O Piauí vai testar em Teresina iniciativas adotadas nas cidades de Medellín, na Colômbia, e de Recife (PE), que reduziram drasticamente a criminalidade dos dois locais. O início do projeto local ocorrerá após o seminário Conexão Recife-Medellín-Teresina, que será realizado nos dias 14 e 15 de março, no auditório da OAB-PI, em Teresina.


Leia também: “A gente precisa despertar”, diz Regina Sousa sobre violência contra as mulheres no Piauí 

Em Teresina, o primeiro projeto que seguirá o modelo da Colômbia, de Pernambuco e do Pará será implementado no bairro Mocambinho. Chamado de Comvida, o espaço terá participação da Secretaria de Estado da Assistência Social (Sasc) e da Secretaria de Estado da Educação (Seduc). O local, que funcionará no prédio da escola Pedro Conde, oferecerá de forma gratuita, à comunidade, saúde, educação, atividades esportivas, aulas de robótica, emissão de documentos, entre outros ainda a serem definidos.

Foto: Arquivo O Dia

Após o início do projeto no Mocambinho e avaliação do resultado, o Governo planeja construir outros centros em Teresina e nos municípios piauienses com mais índices de criminalidade. Por isso, o seminário Conexão contará também com a participação de prefeitos de cidades piauienses com maior índice de Mortes Violentas Intencionais (MVIS): Teresina, Parnaíba, Piripiri, Luís Correia, Picos, Campo Maior, Altos, Corrente, Floriano, Esperantina, Cajueiro da Praia, José de Freitas e Luzilândia, além de Bom Jesus, São Raimundo Nonato e Paulistana.

Medellín reduziu drasticamente a violência

Medellín e Bogotá, também na Colômbia, se destacavam no fim do século 20 como as cidades mais violentas do mundo. Graças às medidas adotadas pelos gestores locais, os índices de criminalidade despencaram. Em Medellín, caiu de 380 assassinatos por 100 mil habitantes/ano para 21 em 20 anos.  As cidades passaram a ser modelo para o mundo e logo as iniciativas foram copiadas por outros países.

Em Recife foram criados pela Prefeitura local os Centros Comunitários da Paz (Compaz), aliados à inclusão social e fortalecimento comunitário. Foram implementadas ainda bibliotecas e parques. O que gerou resultados surpreendentes na redução da violência.

No Pará, a iniciativa partiu do Governo do Estado. Nas cidades de Belém e Ananindeua foram construídos os espaços comunitários USIPAZ e TERPAZ. Embora tenham iniciados recentemente (em outubro de 2021), os índices de criminalidade nos bairros onde estão localizados os centros já começaram a cair.

Seminário

O evento, realizado pelo Governo do Estado, trará a Teresina os especialistas que adotaram métodos bem-sucedidos na redução da violência em Medellín e os profissionais que reaplicaram esses métodos em Recife e, posteriormente, em Belém e Ananindeua, no Pará.

As políticas adotadas nos municípios mostraram que o combate à violência urbana não se esgota com um maior policiamento. Uma sociedade deixa de ser castigada pelo crime quando entende que são ações sociais e promoção da cidadania que mudam vidas, ofertando políticas públicas de resultado, serviços e oportunidades de inclusão constantes.

“Nessas cidades foi constatado que a desigualdade social e econômica, além da exclusão de vários serviços urbanos e de cidadania levou à criminalidade, afetando principalmente jovens que eram cooptados pelo tráfico. Então, a ideia é adotar o modelo nas cidades mais violentas do Piauí para obtermos resultados semelhantes”, afirma a delegada Eugênia Villa, superintendente do Sistema de Gestão de Risco da Secretaria Estadual da Segurança Pública e que está à frente do evento, junto com a  Superintendência de Direitos Humanos  da Sasc e Superintendência de Relações Sociais (Supres) da Secretaria de Governo.

As experiências dos três municípios brasileiros, copiadas da cidade colombiana, são concentradas na aproximação do Estado com a população mais vulnerável, levando políticas públicas que facilitam a educação, saúde, emprego, moradia, lazer e segurança de todos. Essa proximidade é materializada nos espaços físicos onde vários serviços são oferecidos, além de melhoria das condições urbanas dos bairros e também um diálogo constante com a comunidade, de forma a entender quais são suas necessidades.

Prevenção agora, menos violência no futuro

Todos esses centros comunitários foram visitados por servidores do Piauí, tendo à frente a delegada Eugênia Villa. Durante sua jornada, Eugênia entendeu que o sucesso dos programas está em atacar as causas e evitar a violência no futuro. “O investimento feito agora vai aparecer mais adiante. Uma criança que tem acesso aos serviços de educação, saúde, lazer, tende a, quando adolescente ou adulta, não ser cooptada pela criminalidade”, explica.

A delegada acrescenta que, embora a política de segurança pública precise agira em ações de policiamento ostensivo, a prevenção é a melhor solução para o combate à violência. “Evitar um crime é mais interessante do que combatê-lo quando estiver em andamento”, comenta Eugênia.

O seminário de Teresina terá palestras abordando troca de experiências entre Brasil e Colômbia e debate sobre cidades seguras com os especialistas em segurança pública, urbanismo social, política públicas e liderança em comunidades. Os convidados são o consultor em gestão pública colombiano Jorge Melguizo e Camila Uribe, colombiana responsável pelos projetos “Nada Justifica o Homicídio” e “No Copio”.

O secretário de Segurança Cidadã da prefeitura de Recife, Murilo Cavalcanti, apresentará o equipamento inovador implantado na capital pernambucana, o Compaz.

Após as duas apresentações, haverá um debate com a participação de Jorge Melguizo, Camila Uribe, Murilo Cavalcanti e representantes do Governo do Piauí. Também haverá a projeção e difusão da obra literária “Conexão: Recife – Medellín – Compaz”.

No dia 15 haverá uma reunião entre gestores da segurança e, entre os dias 16 e 30 de março, um relatório e plano de trabalho serão elaborados.


É permitida a reprodução deste conteúdo (matéria) desde que um link seja apontado para a fonte!

Compartilhar no
Edição: Com informações da SSP.

Deixe seu comentário