Incêndios: Situação no Piauí ainda é crítica e Bombeiros pode contratar brigadistas civis

Uma intensa linha de destruição pelas altas temperaturas atinge cerca de 20 quilômetros contínuos, matando a vegetação e destruindo estruturas de pequenos pecuaristas

26/09/2021 14:28h - Atualizado em 26/09/2021 14:40h

Compartilhar no

A dramática situação dos incêndios florestais que atingem a região sul do Estado continua em estado “crítico” de acordo com o Corpo de Bombeiros do Piauí. O fogo fora de controle ainda atinge zonas rurais de cidades como Curimatá, São Braz e Avelino Lopes. A grave situação pode levar ao Corpo de Bombeiros a contratar brigadistas civis para auxiliar a corporação na contenção do fogo que já dura semanas. Uma intensa linha de destruição pelas altas temperaturas atinge cerca de 20 quilômetros contínuos, matando a vegetação e destruindo estruturas de pequenos pecuaristas e apicultores da região. A grave situação levou a Secretaria de Meio Ambiente do Piauí a proibir até mesmo queimadas controladas no estado. 

O porta-voz do Corpo de Bombeiros do Piauí, Coronel José Veloso, esclareceu a situação dos incêndios na região e confirmou que a situação ainda é grave em várias cidades próximas a região da Serra das Confusões.

“A verdade é que a gente está tendo vários focos de incêndios, ou seja, fogo fora de controle. O corpo de Bombeiros está presente em diversos municípios, a situação está crítica, temos vários locais com registro. Temos equipes de bombeiros na serra das confusões em vários municípios, aí entra Curimatá, São Braz e Avelino Lopes. Estamos com uma equipe também em Cristino Castro, tivemos uma ocorrência em Bom Jesus e também Assunção do Piauí”, revelou o Coronel.


Leia Mais:
Incêndios: SEMAR publica portaria e proíbe queima controlada no Piauí
São Raimundo Nonato: área destruída por incêndio equivale a quase 4 mil campos de futebol
Território piauiense encontra-se em alerta para baixa umidade, informa Inmet

De acordo com o Coronel José Veloso, o órgão estuda a possibilidade de contratar bombeiros voluntários para auxiliar a corporação na contenção dos desastres ambientais. Até o momento mais de três mil hectares de vegetação foram destruídos na região. O bom conhecimento da população da região seria um dos fatores primordiais para auxiliar o Corpo de Bombeiros na contenção das queimadas.

“Estamos trabalhando para fazer a contratação de bombeiros voluntários, a gente faz a capacitação e vamos contratar esses profissionais. O incêndio florestal tem uma peculiaridade, você me imagina pegar uma pessoa de Teresina, de Parnaíba, que é da zona urbana, e soltar ele na serra das confusões? Ninguém melhor do que o próprio nativo para conhecer o terreno, esse é o nosso projeto para os anos seguintes. Vamos fazer a contratação dessas pessoas, lavradores por exemplo, e fazer essas contratações temporárias e equipá-los e ele faram uma composição com o nosso pessoal. Eles seriam guias de uma ação integrada do nosso pessoal” concluiu o agente de segurança.

Foto: Zeca Moreno/ODIA

Parceria com Bahia e Pernambuco

A tragédia ambiental gerou também uma onda de cooperação, além do ICMBIO e do instituto PrevFogo, do Ibama, Militares dos estados da Bahia e Pernambuco estão auxiliando o Corpo de Bombeiros do Piauí na contenção dos incêndios, como revela o porta-voz.

“O Corpo de Bombeiros sempre está atuando de forma integrada, neste momento essa parceria está sendo fundamental. Envolve Corpo de Bombeiros do Piauí e o estado da Bahia mandou 13 bombeiros da Bahia na região de Curimatá, temos 12 bombeiros de Pernambuco que também estão nessa área também. Temos diversos brigadistas que foram contratados tanto pelas prefeituras locais como pelo ICMBIO, PrevFogo e Secretaria do Meio Ambiente. O exército brasileiro também disponibilizou 300 homens, nós não utilizamos, mas temos essa força disponível com toda a estrutura, carro de transporte, pessoal e caminhões. Temos a possibilidade de ampliar essa estrutura para dar resposta, mas o fogo está bem insistente”, constatou.

Foto: Assis Fernandes/ODIA

Linha de fogo de 20 km

Coronel José Veloso revela também que a situação não será resolvida rapidamente, no momento o Corpo de Bombeiros trabalha para reduzir o danos de agricultores locais.

“A extinção do fogo é uma coisa mais difícil. Temos de 15 a 20 quilômetros de linha de fogo. É uma linha que avança e aí essas equipes fazem a proteção desses patrimônios. A linha causa danos ambientais e prejuízos econômico e socias. Muitos problemas que têm lá são com a criação de abelha e criação de animais, ela está sendo comprometida nesse momento com a estrutura, estamos trabalhando para minimizar os danos que esse incêndio está causando. Se eu te prometer que daqui a dez dias vamos apagar o fogo eu vou estar mentindo. As imagens são muito tristes e quando o fogo chega em uma determinada comunidade o dano é grande”, revelou o Coronel.

Ação do Ministério Público

O Corpo de Bombeiros ainda esclareceu que já está finalizando a resposta a solicitação do Ministério Público, o órgão cobrou um plano de ação do Corpo de Bombeiros para conter os danos ambientais na região.

“Estamos preparando a resposta para o Ministério Público, estamos finalizando o plano de ação que envolve o pedido de equipamentos e vamos fazer um estudo para adquirir os equipamentos, porém se necessita uma preparação, são equipamentos que não se tem disponibilidade, um caminhão de bombeiros, por exemplo, não se encontra em uma concessionária de veículos. Hoje o mercado está com uma defasagem e estamos fazendo um levantamento para a aquisição de equipamentos básicos de proteção. Esse problema de incêndio infelizmente não está acontecendo só no Piauí, o Brasil como um todo, inclusive o pantanal, está passando pelo mesmo problema. Vamos fazer a aquisição emergencial desses equipamentos e ao longo do tempo vamos fazer um projeto para adquirir os equipamentos de proteção aos incêndios para já se preparar para o ano seguinte”, lamentou o bombeiro.

Concurso

Por fim o Corpo de Bombeiros confirmou também que está em fase final de estruturação do novo concurso público para contratar mais profissionais para o órgão. Em breve o certame deve ser oficializado.

“O Concurso está evoluindo, o governador já autorizou e esse é um processo que precisa passar por várias etapas, do pedido do orçamento a finalização. Existe um ritual administrativo que precisa ser cumprido e ele já está bem avançado. Vamos encaminhar para a universidade e posteriormente a contratação da empresa que vai fazer o concurso. É uma licitação dentro da licitação, mas já está bem evoluído, já temos recursos e autorização. Isso é algo que demorará oito meses entre a realização e a preparação” finalizou o porta-voz do Corpo de Bombeiros.

Compartilhar no

É permitida a reprodução deste conteúdo (matéria) desde que um link seja apontado para a fonte!


Deixe seu comentário