Vereadores querem audiência para esclarecer aplicação de empréstimo de R$ 500 milhões

Os parlamentares criticam a concessão de um “cheque em branco” para o prefeito

29/06/2022 12:03h - Atualizado em 29/06/2022 12:14h

Compartilhar no

O bloco de oposição na Câmara Municipal de Teresina apresentou na manhã desta quarta (29) um requerimento para a realização de uma audiência pública para esclarecer a aplicação do empréstimo de R$ 500 milhões, aprovado na última terça . Em fase final de elaboração o requerimento deve ser votado na próxima semana. Os parlamentares criticam a concessão de um “cheque em branco” para o prefeito, já que o projeto não apresenta nenhum cronograma de realização das obras e nem em qual local o montante será aplicado.


Leia Mais: 
Câmara aprova por unanimidade empréstimo de R$ 500 milhões para Prefeitura de Teresina 

O projeto de Lei 131/2022 destina a verba milionária ao “Programa cidade integrada com o povo”, que na teoria fará investimentos em áreas como infraestrutura, saneamento, drenagem. Na prática, o empréstimo servirá para a retomada de obras paradas durante a gestão de Dr. Pessoa, iniciadas ainda na administração do ex-prefeito Firmino Filho, algumas delas já tinham recursos assegurados através de convênios internacionais e que foram perdidos pela falta de evolução na execução.

FOTO: Tarcio Cruz/O DIA

O requerimento foi apresentado pelo vereador Aluísio Sampaio (Progressistas) e subscrito pelos três integrantes do bloco de oposição, Ismael Silva (PSD), Paulo Lopes (PSDB) e Luiz Lobão (MDB).

Ismael Silva explicou o objetivo dos vereadores com o requerimento. “Buscamos um detalhamento de quais são as obras que serão priorizadas com esses recursos que serão utilizados pelo município de Teresina, tendo em vista que a mensagem do poder executivo encaminhado para esta casa não estabeleceu nos seus anexos a lista de obras. É preciso entender também como está a saúde financeira do município. Temos diversas obras paralisadas que precisam desse olhar prioritário”, concluiu.

A base do prefeito defende a contratação do empréstimo devido a crise financeira enfrentada com o avanço da pandemia. Os R$ 500 milhões seria para retomar obras paradas no município. 

É permitida a reprodução deste conteúdo (matéria) desde que um link seja apontado para a fonte!

Compartilhar no

Deixe seu comentário