Parnaí­ba

Tubarão-tigre é capturado na Praia do Coqueiro e morto por pescadores; veja fotos

O animal estava há aproximadamente 150 metros da costa praia em uma despesca (unidade de cultivo de peixes) – região próxima a banhistas

29/10/2021 15:49h - Atualizado em 29/10/2021 19:55h

Compartilhar no

Um tubarão-tigre foi capturado e retirado da água por pesquisadores na Praia do Coqueiro, em Luis Correia, litoral do Piauí, na manhã desta sexta-feira (29). O animal estava há aproximadamente 150 metros da costa da praia em uma despesca (unidade de cultivo de peixes) – região próxima a banhistas.

Foto: Reprodução/Redes Sociais 


“Ele foi capturado em uma área onde os pescadores vão fazer suas linhas de pesca e vão despescar no outro dia pela manhã. Quando eles foram hoje, eles encontraram, capturaram o animal e trouxeram para a praia”, informou a bióloga Geórgia Aragão, em vídeo no Instagram.  


Ainda segundo a pesquisadora, já existem estudos científicos da presença do animal em áreas de monitoramento de despescas em praias do Piauí. O tubarão-tigre, por exemplo, pode chegar até nove metros de comprimento. O que foi capturado pelos pescadores tinha três – considerado juvenil.

Foto: Reprodução/Redes Sociais 

Um predador oportunista, o tubarão-tigre costuma se alimentar daquilo que encontra, peixes, aves, mamíferos, tartarugas, moluscos e até mesmo detritos não comestíveis e lixo. Isso faz com que a espécie seja uma das que mais registra casos de ‘ataques’ em humanos. O Piauí ainda não registrou nenhum caso de qualquer espécie no litoral.

“Devemos ficar atentos, afinal, aqui é o ambiente que eles se encontram. Os tubarões podem, em algum momento, se aproximar da praia ou não. E ao entrar no mar, o banhista precisa ter atenção. Em qualquer movimento estranho, sair da água e informar as autoridades como o Corpo de Bombeiros”, informa.

Sobre o animal

O tubarão-tigre está em terceiro lugar quando em relação as fatalidades que envolvem pessoas e peixes. A espécie é ultrapassada somente pelo tubarão branco e cabeça chata, que oferecem grandes riscos aos seres humanos.

Apesar disso, é importante ressaltar que o homem também oferece risco à espécie, que é vendida fresca, salgada, seca, defumada ou congelada em diversos países pelo mundo. 

É permitida a reprodução deste conteúdo (matéria) desde que um link seja apontado para a fonte!

Compartilhar no

Deixe seu comentário