Covid: Piauí ainda não tem casos confirmados das novas variantes, diz Sesapi

As novas subvariantes preocupam as autoridades porque ambas possuem um escape vacinal maior.

09/11/2022 11:38h

Compartilhar no

O Comitê de Operações Emergenciais (COE) do Estado do Piauí em reunião na manhã desta quarta-feira (09), discutiu a possibilidade de uma nova onda de Covid-19 provocada pelas novas variantes que apareceram em território nacional. São duas as novas versões da Ômicron com casos registrados em alguns estados brasileiros: BQ1 e BQ1.1. As novas subvariantes preocupam as autoridades porque ambas possuem um escape vacinal maior.


Leia também: FMS alerta para o aumento da positividade Covid na capital 

De acordo com o médico infectologista Dr Jose Noronha, membro do COE, no momento não há motivo para pânico no estado. O Piauí não tem casos confirmados pelas novas variantes, mas o COE está vigilante por conta do aumento da positividade do RT-PCR tanto em Teresina, quanto nos demais municípios." Diante do atual quadro a orientação é para o uso de máscaras por idosos,  pessoas com comorbidades,  nas instituições de saúde e em transportes coletivos", alerta o médico.

Foto: Divulgação/Sesapi

O boletim semanal elaborado pelo Centro de Informações Estratégicas em Vigilância em Saúde (CIEVS) apontou que a taxa de positividade dos testes de RT-PCR está aumentando no Piaui embora a taxa de transmissibilidade ainda esteja baixa no estado. " Temos acompanhado o cenário em outros estados,  e temos um plano de contingência, que será colocado em prática se necessário", revelou o superintendente de Atenção à Saúde, Herlon Guimarães, que também é membro do COE. Segundo ele, em relação aos óbitos e às solicitações de leito para tratamento da doença, o cenário atual é de estabilidade.

José Noronha chama a atenção da população para a importância da dose de reforço a fim de se manter os níveis de proteção contra a covid-19. "É  importante que as pessoas completem os ciclos de vacinação, recebendo todas as doses de reforço disponíveis, para cada faixa etária. Os reforços fortalecem a proteção contra o vírus e as variantes delta e ômicron. Com o ciclo vacinal completo e nos prazos recomendados, o nível de proteção aumenta, evitando casos graves", destaca.

Herlon Guimarães reforça a necessidade da manutenção da Campanha Nacional de Vacinação contra Covid-19, com a aplicação das doses de reforço. Iniciada em janeiro de 2021, a campanha segue sendo realizada em todos os municípios do estado. Pessoas com 18 anos ou mais já podem tomar a segunda dose de reforço, conforme orientação do Ministério da Saúde. Os adolescentes de 12 a 17 anos devem receber a primeira dose de reforço contra a doença. E para as crianças de 3 a 11 anos, a recomendação é a aplicação de duas doses.

É permitida a reprodução deste conteúdo (matéria) desde que um link seja apontado para a fonte!

Compartilhar no