Peixe-leão é capturado em Barra Grande; Semar orienta a não devolverem animais para o mar

Pescadores ou banhistas que capturarem um peixe-leão não devem devolver o peixe para o mar e devem buscar os órgãos competentes.

29/04/2022 10:20h - Atualizado em 29/04/2022 11:06h

Compartilhar no

Um mergulhador piauiense capturou um peixe-leão, espécie venenosa e altamente perigosa, em Barra Grande, praia localizada no município de Cajueiro da Praia, litoral do Piauí. Em um vídeo compartilhado pelas redes sociais, o mergulhador afirma que o peixe foi encontrado em uma área de corais, em águas rasas.

“Acabei de dar um mergulho, fui com a intenção de pegar esse camarada. Muito cuidado, banhistas, galera que anda naqueles corais, [porque] a gente logo que mergulha vê logo eles [sic]”, afirma o mergulhador.

A cidade de Cajueiro da Praia fica a 8 km da praia do Bitupitá, em Barroquinha, no interior Ceará, onde um pescador teve convulsões e paradas cardíacas após pisar em um peixe-leão. A espécie invasora não é do Brasil e, por ser extremamente voraz e versátil, acaba por prejudicar as espécies nativas, por predação, se tornando um grave problema ambiental e para a pesca.

De acordo com a Secretaria de Estado do Meio Ambiente e Recursos Hídricos do Piauí (Semar), os relatos de peixe-leão em ambientes rasos das zonas costeiras dos estados do Piauí e Ceará iniciaram em março deste ano. Até o momento, dezenas de animais foram observados ou capturados por pescadores e pesquisadores entre os municípios de Luís Correia-PI e Itarema-CE. "No Piauí, existem relatos de avistamentos distantes da costa na praia do Coqueiro, e relatos de animais em ambientes mais rasos em Barra Grande, Barrinha e Cajueiro da Praia", diz a Semar.

Além de prejudicar espécies nativas, o peixe-leão também é extremamente perigoso para os seres humanos. Por isso, a Semar orienta que pescadores ou banhistas que capturarem um peixe-leão, não devolvam o peixe para o mar e busquem os órgãos competentes. A população que avistar ou capturar esses animais (vivos ou mortos) deve entre em contato pelos e-mails: [email protected] e[email protected]

Segundo a Semar, diversas instituições estão monitorando a invasão dos animais na costa do Piauí, como: UFDPar, ICMBio, SEMAR, ONGs ITD e Comissão Ilha Ativa e Prefeituras de Parnaíba, Luís Correia e Cajueiro da Praia. Em parceria com instituições do Ceará, esses órgãos buscam registrar ocorrências peixe-leão, capturar animais para estudos científicos e manter a população informada.

Foto: Reprodução/Pixabay

“Reforçamos que o peixe-leão é um animal venenoso e não deve ser manipulado sem proteção. Seu veneno causa dor forte e inchaço na área atingida. Casos letais são bastante raros, e a grande maioria dos acidentes se resolve sem maiores complicações. Porém os efeitos variam para cada organismo e dependem da quantidade de perfurações e grau de exposição”, informou a Semar.

É importante que a população evite contato com o peixe, a menos que tenha total segurança. Em caso de acidente retire eventuais espinhos, limpe bem a ferida e procure ajuda médica. Outra medida que pode ser adotada inclui mergulhar a parte afetada em água quente (até o limite do suportável) por vários minutos, por ser capaz de neutralizar o veneno e aliviar a dor. Fazer uso de analgésicos também podem ajudar.

É permitida a reprodução deste conteúdo (matéria) desde que um link seja apontado para a fonte!

Compartilhar no

Deixe seu comentário