Piauí tem 8 mil pessoas que moram em áreas de risco muito alto; veja lista

A cidade de Campo Maior, no Norte do Piauí, é a que apresenta o maior números de áreas classificadas com risco muito alto

22/01/2023 17:32h - Atualizado em 22/01/2023 18:13h

Compartilhar no

Um total de 8.660 pessoas residem em áreas consideradas de risco muito alto para desastres geológicos no Piauí. Os dados que constam em um banco de dados produzido Serviço Geológico do Brasil e levantados pelo O DIA neste domingo (22) apontam 12 áreas localizadas em Teresina e mais quatro municípios do interior do estado. 

A cidade de Campo Maior, no Norte do Piauí, é a que apresenta o maior números de áreas classificadas com risco muito alto, são cinco ao todo. A capital, Teresina, aparece logo em seguida com quatro; José de Freitas, Picos e Porto possuem uma área cada. De acordo com o CPRM, os riscos são de inundação, deslizamento e queda. 

LEIA TAMBÉMEm Aroazes, alagamento causado por chuvas dificulta acesso aos povoados 

Em Teresina, por exemplo, são três áreas com risco muito alto de desligamento e uma de inundação. O alerta para deslizamento são para dois pontos do Bairro Bela Vista, na zona Sul, e um para o Conjunto Pedro Balzi, na zona Sudeste. Já o risco de inundação é para a Avenida Boa Esperança (até Restaurante Pesqueirinho), na zona Norte.

Cheia do Rio Marathaoan, em Barras (Foto: Kennedy José)

O banco de dados aponta também áreas em todo o Piauí considerada de alto risco. Nesse quesito, o estado possui 87 áreas localizadas em 90 municípios, o que pode afetar 34.483 pessoas. Teresina e Picos lideram com seis áreas cada. Na capital, são três de inundação, dois de deslizamento, uma de tombamento (Bairro Satélite - Rua Lions Clube e entorno)

O professor da Universidade Estadual do Piauí (UESPI), Werton Costa, explica que os alertas são importantes para o desenvolvimento de políticas públicas nessas regiões, contudo, não se trata de uma previsão. Para ele, os riscos existem e os desastres podem ocorrer diante de condições específicas. 

“Essa plataforma não é previsão. É um mapeamento de área de risco. Eles têm um estudo que foi feito nessas áreas que consideraram elas vulneráveis. Esse risco emerge diante de uma situação climatológica excepcional. O risco está guardado. Se uma pessoa mora em um morro, se não houver nenhum evento que será o gatilho, aquele morro ficará intacto, mas se chover acima da média pode haver deslizamento”, exemplificou. 

Werton Costa comentou ainda que as áreas estão localizadas em locais que já são conhecidos pelos riscos que apresentam como morros, margens de açude, margens de rio. As chuvas que caem sobre as regiões do Piauí podem aumentar a qualidade de áreas em risco estabelecidos pelo serviço geológico.

É permitida a reprodução deste conteúdo (matéria) desde que um link seja apontado para a fonte!

Compartilhar no