Caso Anael e Luian: Tio do dono do Frango Potiguar assume ter matado adolescentes

O homem, que é servidor público estadual, afirmou em depoimento que cometeu o crime sozinho, sem a ajuda de terceiros.

26/01/2022 10:19h - Atualizado em 26/01/2022 12:47h

Compartilhar no

Em entrevista coletiva concedida na manhã desta quarta-feira (26), o delegado-geral da Polícia Civil, Lucy Keiko, confirmou que o tio do proprietário do restaurante Frango Potiguar confessou à polícia ser o responsável pela execução dos adolescentes Anael Natan Colins Souza da Silva, 17 anos, e Luian Ribeiro de Oliveira, de 16 anos.

O homem, que não teve a sua identidade revelada, é servidor público estadual e tem aproximadamente 60 anos. Ele afirmou em depoimento que cometeu o crime sozinho, sem a ajuda de terceiros. Ele é dono do sítio localizado ao lado da casa de shows, nas imediações de onde a motocicleta das vítimas foi encontrada. 

João Paulo de Carvalho Gonçalves Rodrigues. (Foto: Reprodução/Arquivo Pessoal)

De acordo com o delegado-geral, o empresário João Paulo de Carvalho Gonçalves Rodrigues, dono do restaurante Frango Potiguar, também teria confessado que cedeu o veículo utilizado para levar os jovens até o matagal onde foram executados. Contudo, a polícia ainda está apurando a sua participação nos homicídios.

Carro do suspeito de ter cometido o crime (Foto: Jailson Soares/ODIA)

“Ele [João Paulo] disse que chegou à casa e os menores já estavam amarrados e imobilizados. O tio disse que o carro dele já estava lá fora e pediu emprestado para ‘resolver o assunto’, e teria colocado os dois menores no carro e os matou. O nosso objetivo é saber se a pessoas que estavam na residência no momento em que os menores foram amarrados também estavam presentes quando foram executados”, afirmou o delegado-geral.

Por ter confessado a autoria fora do período do flagrante, o servidor público ainda está solto. Já o empresário foi preso temporariamente ontem, mas foi posto em liberdade após o cumprimento dos mandados de busca e apreensão.

O delegado-geral frisou ainda que a Polícia irá averiguar as ameaças de morte relatadas à imprensa pelos familiares das vítimas. “Quem ameaçar familiar de vítima durante uma fase de inquérito policial está cometendo o crime de coação no curso do processo e, se comprovarmos isso, vamos pedir a prisão. Não se pode atrapalhar uma investigação”, destaca Lucy Keiko.

É permitida a reprodução deste conteúdo (matéria) desde que um link seja apontado para a fonte!

Compartilhar no

Deixe seu comentário