Professor ameaçava aluna para cometer estupros, diz delegada

O acusado identificado pelas iniciais C. D. P. C. foi preso na cidade de Fortaleza, no Ceará.

19/11/2021 09:49h - Atualizado em 19/11/2021 15:37h

Compartilhar no

Um professor identificado pelas iniciais C. D. P. C. foi preso na tarde de ontem (18), acusado de ter estuprado uma aluna dentro de uma escola particular em Teresina. Segundo informações da Polícia Civil, o crime teria acontecido no último mês de outubro. A vítima é uma adolescente de 15 anos.

Segundo informações da delegada Lucivânia Vidal, titular da Delegacia de Proteção aos Direitos da criança e do Adolescente (DPCA), o pai da vítima formalizou a denúncia contra o professor no dia 16 de novembro. O acusado era coordenador das Olimpíadas Escolares da instituição e ameaçava a vítima para cometer os estupros.

Lucivânia Vidal. Foto: Jailson Soares/ODIA 

"Ele está sendo acusado de estupro qualificado. O acusado prestava o serviço como coordenador de olimpíadas e tinha uma ligação como coordenador com essa adolescente. Segundo o pai, essa adolescente se via ameaçada pelo professor e, sob pressão, manteve relações sexuais com ele. Após a escola saber do fato, demitiu o acusado", informou a delegada.

De acordo com a delegada, o colégio prestou todas as informações necessárias às investigações. O acusado é natural de Fortaleza, e, se evadiu para a capital cearense após ser demitido pela escola. "O que gerou a nossa preocupação de que ele empreendesse fuga e, com todas as provas robustas que tínhamos em mãos, pedimos a prisão temporária", destacou a delegada.


Leia também: Ex-prefeito de Curimatá é preso em operação da Polícia Civil 


Lucivânia Vidal. Foto: Jailson Soares/ODIA 

A prisão temporária foi decretada pelo titular da Central de Inquéritos de Teresina, o juiz Valdemir Ferreira Santos. Segundo a delegada, a  suspeita é de que a aluna não tenha sido a única vítima do professor.

"Com a experiência que nós temos desse tipo de crime, infelizmente o modus operandi é de um bandido que não faz só uma vez. Ele usa a função de professor, de autoridade perante os alunos, para cometer o crime. Quantos alunos ele não tem acesso? As vezes o aluno passa mais tempo no colégio do que com a própria família e a família fica tranquila porque o filho ou a filha está protegido na escola", alerta a delegada.

As investigações desenvolvidas pela Gerência de Polícia Especializada e Delegacia de Proteção à Criança e Adolescente apontam ainda que um dos crimes foi praticado dentro da residência do próprio professor, onde a polícia civil também cumpriu mandado de busca e apreensão.

A escola onde aconteceu o crime não teve o nome divulgado pela Polícia Civil.

A prisão foi realizada com o apoio da operacional do Departamento de Polícia Judiciária da Capital, PCCE.


É permitida a reprodução deste conteúdo (matéria) desde que um link seja apontado para a fonte!

Compartilhar no

Deixe seu comentário