Rinha de galo é desbaratada na Vila Irmã Dulce

No local, funcionava ainda um consultório clandestino onde eram realizados procedimentos cirúrgicos nos animais

21/07/2020 16:02h - Atualizado em 24/07/2020 11:01h

Compartilhar no

Uma rinha de galo foi desbaratada por uma operação em conjunto da Polícia Ambiental, Força Tarefa e o 7º Batalhão da Polícia Militar na tarde desta terça-feira (21/07) na Vila Irmã Dulce, zona Sul de Teresina. No local, funcionava ainda um consultório clandestino onde eram realizados procedimentos cirúrgicos nos animais.


A residência onde funcionava a rinha de galo foi descoberta depois de levantamentos do serviço de inteligência da Secretaria de Estado da Segurança. Na tarde de hoje, a operação invadiu a casa e comprovou que o espaço era utilizado para as práticas criminosas.

Foram encontrados além da rinha de galo, produtos e instrumentos utilizados em cirurgias, quase 50 galos de briga, uma pistola .40, e duas motocicletas com registro de roubo. Dois homens que estavam na residência no momento da operação foram presos e encaminhados para a Central de Flagrante. Eles foram identificados como Danilo dos Santos Costa e Alaniel Inácio de Sousa Lima.


Fotos: Jailson Soares / O Dia

Segundo o major Audivam Nunes, coordenador da Força Tarefa, um dos presos integra uma facção criminosa que atua em Teresina e que dava suporte para o funcionamento da rinha. 

“Ele faz parte de uma facção e com certeza ele contava com a estrutura da facção que faz parte. Ele está fazendo uso de um direito constitucional de ficar calado, mas vamos apresenta-lo na Central de Flagrantes e ele vai responder pelos crimes. É um indivíduo de alta periculosidade   que saiu há pouco tempo do presídio”, revelou Audivam.

Os dois presos foram apresentados na Central de Flagrantes e os animais enviados para o Batalhão da Polícia Ambiental, de onde serão encaminhados para o Zoobotânico até que a justiça finalize o processo.  


É permitida a reprodução deste conteúdo (matéria) desde que um link seja apontado para a fonte!

Compartilhar no
Por: Otávio Neto

Deixe seu comentário