Teresina: duas pessoas são presas em operação contra lavagem de dinheiro em Teresina

Foram cumpridos 16 mandados judiciais na capital e em Agricolândia. Operação combate crimes de fraude documental e falsidade ideológica.

01/12/2022 07:52h - Atualizado em 01/12/2022 11:11h

Compartilhar no

Atualizada às 11h11min

Duas pessoas foram presas na operação: Antônio Marcos de Sousa Silva e Elinaldo Soares Silva. Conforme informou o delegado Tales Gomes, coordenador do Greco, Elinaldo foi preso por força de mandado de prisão preventiva e Antônio Marcos foi detido em flagrante por posse irregular de arma de fogo, receptação qualificada de bem público, uso de documento falso e falsificação de documento público.

Iniciada às 07h52min

A Polícia Civil, por meio da Delegacia de Combate à Corrupção e do Grupo de Repressão ao Crime Organizado, deflagrou uma operação na manhã desta quinta-feira (01) para cumprir 16 mandados judiciais contra crime de lavagem de dinheiro em Teresina e Agricolândia. São 15 mandados de busca e apreensão e um mandado de prisão preventiva a serem cumpridos contra pessoas envolvidas em crimes de fraude, documental, falsidade ideológica, organização criminosa e lavagem de dinheiro.

As investigações resultaram em decisão judicial que autorizou o sequestro de bens do grupo criminoso. Somado, o patrimônio da quadrilha chega a R$ 28.253.726,45. De acordo com a polícia, os criminosos atuavam no Piauí e no Maranhão praticando fraudes documentais e lavagem de dinheiro, contando inclusive com participação de cartórios, estabelecimentos bancários e outros entes.


Foto ilustrativa: Divulgação/Polícia Civil

“Várias pessoas e empresas fictícias eram criadas pelo grupo criminoso. Para elas, era transferido o passivo de várias empresas verdadeiras, muitas delas endividadas com bancos, com o fisco, além de outros delitos. A partir dessas pessoas físicas e jurídicas falsas, o grupo conseguia movimentar quantias em dinheiro de forma dissimulada com o objetivo de esconder seu patrimônio e causar prejuízo reais às vítimas, que eram o fisco e os bancos”, explicou o delegado Tales Gomes, coordenador do GRECO.

As investigações que culminaram na ação de hoje iniciaram ainda em abril de 2019 quando o Grupo de Repressão ao Crime Organizado abriu inquérito contra um escritório de contabilidade de Teresina e apreendeu no local vários documentos falsos, cartões bancários e carimbos.

As diligências ainda estão em andamento durante toda esta manhã. Entre o material apreendido há uma pistola 40 com numeração suprimida, 81 cartuchos calibre 40, cinco cédulas em branco autênticas, 431 selos falsificados do cartório de Timon, diversos documentos falsificados, centenas de carimbos de empresas, oito tabletes de maconha, mais de R$ 14 mil em espécie, e 10 veículos. A operação envolve 42 policiais civis do Greco e da Delegacia de Combate à Corrupção.

É permitida a reprodução deste conteúdo (matéria) desde que um link seja apontado para a fonte!

Compartilhar no