Vigia de escola de Teresina é preso por estuprar criança de 4 anos

O acusado foi preso durante operação deflagrada pela Divisão de Capturas (Dicap) na manhã desta quinta-feira (27).

27/01/2022 08:22h

Compartilhar no

Durante operação deflagrada pela Divisão de Capturas (Dicap) da Polícia Civil em conjunto com a Força Tarefa da Secretaria de Segurança Pública, na manhã desta quinta-feira (27), um homem que não teve a identidade revelada foi preso pelo crime de estupro de vulnerável contra uma criança de apenas quatro anos.


Leia também: 
Família diz que pagamento de indenização motivou crime de PM contra ex-esposa em Teresina 

 Segundo o delegado Willame Moraes, coordenador da Dicap, o acusado era vigia de uma escola municipal localizada na região do Grande Dirceu e foi condenado pela Justiça por estuprar uma aluna dentro da instituição.  De acordo com o delegado, seis mandados de prisão em aberto por crime de estupro devem ser cumpridos ainda hoje. Até o momento, quatro pessoas já foram presas, todos são condenados pela Justiça. 

Vigia é preso por estupro de criança (homem de calça jeans). (Foto: Chico Filho/O Dia)

"Todas prisões por estupro, que é um crime hediondo, e com pena definitiva, pena que não cabe mais recurso. Essa operação de combate à violência contra a mulher, se dá em razão da intensificação nos últimos dias dos crimes na nossa capital de violência contra a mulher. Tivemos na terça-feira um feminicídio brutal, com 19 facadas, de uma mãe de família, e ontem tivemos uma tentativa de feminicídio, uma mulher recebeu três balas na cabeça do seu ex-companheiro", destaca o coordenador do Dicap.

Segundo a legislação brasileira, o crime de estupro é considerado crime hediondo, cuja pena é de 6 a 10 anos de reclusão, podendo aumentar quando qualificado, em casos em que há lesão corporal grave da vítima passa para 8 a 12 anos, o mesmo ocorre se a vítima possui entre 14 a 18 anos de idade; e para 12 a 30 anos, se a conduta resulta em morte.

É permitida a reprodução deste conteúdo (matéria) desde que um link seja apontado para a fonte!

Compartilhar no
Edição: Com informações de Chico Filho.

Deixe seu comentário