"Quem sabe é Deus", diz Dr. Pessoa sobre volta às aulas em Teresina

Greve dos professores já dura mais de duas semanas. Categoria cobra reajuste linear de 33%, mas Prefeitura vai conceder somente 16%.

24/02/2022 11:17h - Atualizado em 24/02/2022 16:21h

Compartilhar no

"Quem sabe é Deus". foi o que disse o Prefeito de Teresina, Dr. Pessoa, sobre o fim da greve dos professores e o retorno às aulas para as crianças da capital. A resposta foi dada na manhã desta quinta (24) durante solenidade na Associação Piauiense de Municípios (APPM). A greve dos educadores já dura mais de duas semanas, os professores cobram um reajuste linear de 33% para toda a categoria, mesmo percentual aprovado pelo presidente Jair Bolsonaro. Na última terça a Câmara Municipal de Teresina aprovou um reajuste de 16% para a carreira, a proposta, porém, não agradou os educadores que decidiram manter a greve. 

FOTO: Assis Fernandes/ODIA

Questionado sobre como espera resolver o impasse, o gestor disse que o salário pago já seria o suficiente e apontou "penduricalhos"no pagamento dos professores. "Espero resolver com um maior salário que o do estado do Piauí e maior que o de muitas outras capitais. Se somar salários mais benefícios da docência passará bastante do piso salarial do governo federal. Com os penduricalho, ou os incentivos, melhor dizendo, o salário chegará a R$ 4950 reais", disse Dr. Pessoa.

Quando perguntado se espera o retorno dos professores para as salas de aulas, Dr. Pessoa evocou a religiosidade. "Quem sabe é Deus, é a consciência deles e consequentemente Deus tá presente, presente até lá na Ucrânia. Infelizmente a coisa vai arruinar não só lá na Ucrânia, mas espere que  nós estamos em um caminho convergente na vida", finalizou o prefeito.

Dr. Pessoa pode responder por improbidade administrativa

O reajuste de 16% concedido pela Prefeitura de Teresina aos professores da rede municipal pode acabar resultando em um processo por improbidade administrativa contra o prefeito Dr. Pessoa (MDB). Isso porque o percentual está abaixo do que foi dado pelo Governo Federal. Foi isso o que explicou o promotor de Justiça Chico de Jesus, titular da 42ª Promotoria de Teresina.


Leia também: Reajuste de professores: Dr. Pessoa pode responder por improbidade, diz promotor 


Além de citar a greve dos professores como sendo uma situação “seríssima”, o representante do Ministério Público mencionou que a Prefeitura precisa agir para resolver os problemas dos alagamentos em Teresina, algo que o órgão já vem cobrando desde antes do período chuvoso.

É permitida a reprodução deste conteúdo (matéria) desde que um link seja apontado para a fonte!

Compartilhar no

Deixe seu comentário