Acumuladores compulsivos: entenda o que é essa síndrome e como isso prejudica a vizinhança

Esses são os acumuladores compulsivos, pessoas que possuem um transtorno de acumulação e dificuldade em se desfazer de seus pertences

26/09/2022 08:56h - Atualizado em 26/09/2022 09:26h

Compartilhar no

Entulhos, móveis e outros objetos se acumulam e criam montanhas de lixo dentro de uma residência. O local, um verdadeiro criadouro de animais peçonhentos e arboviroses, coloca em risco a saúde do morador do imóvel e dos vizinhos, que precisam conviver ao redor de um ambiente insalubre. Esses são os acumuladores compulsivos, pessoas que possuem um transtorno de acumulação e dificuldade em se desfazer de seus pertences.

Em geral, são pessoas que não têm noção de seu problema e, por isso, não buscam e nem aceitam ajuda. O problema desse tipo de transtorno pode ser acompanhado e tratado por um psicólogo ou psiquiatra, mas é preciso que o indivíduo aceite a ajuda. Enquanto isso, os vizinhos sofrem com suas casas sendo invadidas por ratos, cupins e pelo mau cheiro.

(Fotos: Assis Fernandes/ODIA)

Essa situação acontece em uma casa no bairro Dirceu, zona Sudeste de Teresina. O imóvel ocupado por um homem de aproximadamente 30 anos está completamente tomado por lixo, que começa a se acumular logo na calçada, atrapalhando a passagem de pedestres. Mas a situação é ainda pior dentro do terreno. O local está completamente tomado por lixo, inclusive, segundo moradores, o portão já chegou a cair por conta do peso.

“Tudo que ele encontra na rua, leva para dentro de casa. Até o lixo que tiramos das nossas casas e ele vem e joga dentro do terreno. Nós já reclamamos, pedimos para ele limpar, mas ele ignora. Não deixa ninguém entrar dentro da casa, nem a família dele, assistentes sociais, ninguém”, conta uma moradora.

A situação se torna ainda mais insalubre porque o local é foco de ratos. São tantos que os animais invadem as casas vizinhas, contaminam os ambientes e colocam em risco a saúde da população, pois são animais transmissores de doença.

“Os ratos são enormes, verdadeiras ratazanas. Eles passam o dia andando por cima dos muros, fazem ninhos nos forros, invadem nossas casas. Há alguns anos, durante o velório da minha mãe, estávamos fazendo a vigília na porta de casa quando um rato entrou na minha casa, entre as pessoas. Todos correram, foi constrangedor!”, relatou outra vizinha.

Moradores de ruas próximas também reclamam do acúmulo de lixo que, para muitos, é um problema de saúde pública. Para tentar resolver a problemática, algumas pessoas já tentaram falar com familiares do morador, mas estes não demonstraram interesse em solucionar a situação.

“A situação é tão complicada que os ratos chegam até nossas casas, que ficam em outros quarteirões, além da dengue. Na nossa rua, praticamente todo mundo ficou doente, mas nas nossas casas não têm criadouro de mosquitos, eles vêm dessa casa, se reproduzem nesse lixão”, acrescenta o morador. 

Denúncias são recorrentes, mas situação nunca foi solucionada

Revoltados com essa situação que perdura há mais de uma década, moradores já tentaram todas as maneiras possíveis para resolver o caso. Segundo eles, não há diálogo com o morador do imóvel. Os órgãos públicos também não conseguem tomar providências, já que não é permitido adentrar a residência, por se tratar de um imóvel privado.

A Superintendência das Ações Descentralizadas Sudeste (Saad Sudeste) informou ter conhecimento sobre o caso relatado na matéria e pontua que algumas solicitações formais já foram feitas por vizinhos. Além disso, o proprietário do terreno já foi identificado e notificado. Segundo Maria Graça Carvalho, gerente de Controle e Fiscalização (GCF), a Saad Sudeste também fez um auto de infração e entregou ao proprietário, que tem 10 dias para solucionar a problemática. Caso não resolva, o caso será encaminhado ao setor de multa.

A Prefeitura de Teresina destacou que irá tomar providências com relação à limpeza da calçada e sarjeta. Entretanto, destaca que o problema somente será totalmente solucionado quando o lixo que está dentro do imóvel for completamente removido e que isso é de competência do proprietário. 

Graça Carvalho reforça que as demandas são vistoriadas pela equipe GCF. Na visita, se for confirmado a veracidade da demanda, é emitido uma notificação com prazo de 30 dias para realização da exigência do serviço solicitado pela PMT. Caso o serviço não seja realizado, a equipe retornará ao local e aplicará um auto de infração, que não sendo atendido, o denunciado será multado.

Utilizar imóvel como depósito de lixo é cabível de multa que pode variar de R$ 766,53 a R$ 3.832,64 segundo a Lei nº 3610, de 11 de janeiro de 2007, como previsto no Código de Postura do Município. 

Denúncias

As denúncias podem ser feitas tanto presencialmente na Saad mais próxima quanto por meio da Ouvidoria. Nos dois casos, uma equipe da Gerência se dirigirá até o local para averiguar a veracidade da ocorrência. 

Saad Centro - (86) 3215-7463
Saad Leste - (86) 3215-7877 / (86) 3215-7875 / (86) 3215-7879
Saad Norte - 86) 3215-7462
Saad Sul - (86) 3215-7661
Saad Sudeste - (86) 3215-7856

É permitida a reprodução deste conteúdo (matéria) desde que um link seja apontado para a fonte!

Compartilhar no

Deixe seu comentário