COE mantém liberação de máscaras em ambientes fechados em Teresina

Estados como São Paulo e Rio de Janeiro voltaram a recomendar uso de máscara em ambientes fechados. FMS faz apelo para que as pessoas tomem a dose de reforço.

03/06/2022 08:46h - Atualizado em 03/06/2022 14:00h

Compartilhar no

Atualizada às 12h25

Em reunião realizada nesta sexta-feira (03), o Comitê de Operações Emergenciais (COE) Municipal decidiu manter a liberação do uso de máscaras em ambientes fechados em Teresina. Segundo o presidente da FMS, o médico Gilberto Albuquerque, diferente de outros municípios brasileiros, Teresina tem apresentado estabilidade no número de casos e óbitos da doença, o que não justifica o endurecimento das medidas restritivas no momento.

"Avaliamos as tendências e Teresina, diferente de muitos outros estados vizinhos, se mantém com os números estáveis. Temos duas semanas sem óbitos, um número mínimo de internação, número de positividade dentro do esperado. Então, isso não justifica que possamos tomar medidas restritivas. Nos mantemos vigilantes, estamos cada dia mais atentos, mas não há necessidade de modificação das medidas tomadas anteriormente no decreto", afirmou o presidente da FMS, acrescentando que, caso haja aumento no número de casos e óbitos, a liberação do uso do equipamento de proteção poderá ser revista.

Gilberto Albuquerque também destacou a importância da cobertura vacinal para a manutenção do baixo índice de transmissibilidade da doença. Em especial para a população apta a tomar a terceira e quarta dose. "Na terceira e quarta dose há um relaxamento por parte da população, mas nós estamos mantendo os pontos, os drives, e as equipes, que custam caro. Esperamos que a população corresponda e compareça aos pontos de vacinação", alerta.

O uso de máscaras ao ar livre deixou a ser obrigatório na Capital no dia 14 de março deste ano. Já no dia 28 de março foi liberado o uso em locais fechados. Teresina foi a primeira cidade do Piauí a flexibilizar o uso do equipamento de proteção.

Matéria original

Vai se reunir nesta sexta-feira (03) para discutir sobre o uso da máscara em Teresina. Na reunião, representantes da Fundação Municipal de Saúde (FMS), cientistas e médicos especialistas vão analisar a atual situação da pandemia na capital e tratar sobre a recomendação de retorno do uso de máscara em ambientes fechados. Recentemente, o Estado de São Paulo voltou a recomendar o uso de máscara em locais fechados e o Rio de Janeiro tornou novamente obrigatório usar máscara nas universidades.

De acordo com os dados do COE municipal, Teresina mantém atualmente uma taxa de positividade global de testes contra a covid-19 de 8%. Nos últimos sete dias, foram registrados 5,5 casos novos e uma média de 4,4 internações a cada 100 mil habitantes da capital. A ocupação de leitos atual está em 2.8% e a o nível de transmissão da doença no momento se encontra em patamar verde, considerado baixo pelos parâmetros do Ministério da Saúde.

O coordenador médico do COE Teresina, Walfrido Salmito, explica que os números atuais não dão suporte para a adoção de mudanças. “Tivemos um aumento nos casos diagnosticados, mas eles ainda não são alarmantes. Não tivemos aumentos de óbitos ou hospitalizações, que é o que preocupa mais. Além disso, não registramos mortes há mais de duas semanas”, justifica.

O presidente da FMS, médico Gilberto Albuquerque, lembra que para evitar que a máscara volte a ser recomendada em locais fechados em Teresina é preciso garantir uma boa cobertura vacinal com as doses de reforço. “É necessário fazer o reforço. A primeira dose imuniza, a segunda dose imuniza mais, a terceira também e a quarta dose é uma segurança a mais. Reitero que a vacinação de reforço é uma medida a mais que evita complicações da covid. Vamos aproveitar que as vacinas estão disponíveis”, disse Gilberto Albuquerque.


O médico Gilberto Albuquerque, é presidente da FMS - Foto: Arquivo O Dia


Walfrido Salmito alerta ainda que, apesar da flexibilização, o decreto recomenda o uso da máscara por pessoas com maior risco, como idosos ou com comorbidades, sintomáticos respiratórios e positivos para covid, bem como seus contatos. Além disso, ele chama atenção para a vacinação, em especial a terceira e quarta dose, cujos números ainda estão aquém do ideal.  Até o dia 26 de maio, 62,15% dos teresinenses com direito à vacina tomaram a terceira dose (primeiro reforço) e apenas 12,81% foram imunizados com a quarta dose (segundo reforço). “A vacina não impede que você contraia a covid, mas protege de formas graves, internações e mortes. Por isso, é preciso que a população faça sua parte e se vacine em tempo adequado”, alerta ele.

Teresina está disponibilizando as doses de reforço para pessoas a partir de 12 anos e neste final de semana terá pontos de vacinação em toda a cidade. São sete locais no sábado (04) e cinco no domingo (05) que estarão imunizando contra a covid-19, influenza, sarampo e outras doenças.

Durante o sábado (04), das 9h às 17h, a FMS mantém um posto no Teresina Shopping. O local será destinado para adolescentes e adultos que precisam receber a vacina da covid-19, sendo primeira, segunda e terceira dose (para pessoas a partir dos 12 anos), além do primeiro e segundo reforço (para pessoas de 18 anos e mais). Além disso, será ofertada a vacina da gripe para todos os grupos prioritários que têm direito ao imunizante.


Foto: Assis Fernandes/O Dia

Outro local disponível no sábado (04) será o Hospital Universitário, que recebe crianças de cinco a 11 anos de idade para a vacinação contra a covid. Assim como no Teresina Shopping, o horário de funcionamento da sala é das 9h às 17h. 

Para receber a vacina é necessário apresentar um documento de identificação com foto, CPF ou cartão do SUS e o cartão de vacina. Grupos profissionais com direito à vacina da gripe devem apresentar um documento que comprove seu vínculo profissional, e pessoas com comorbidades devem apresentar um laudo médico comprovando sua condição. “Lembramos ainda que, no caso das crianças e adolescentes, eles devem estar acompanhados dos pais ou responsáveis, manifestando sua concordância com a vacinação”, ressalta Emanuelle Dias, coordenadora de imunização em Teresina.

É permitida a reprodução deste conteúdo (matéria) desde que um link seja apontado para a fonte!

Compartilhar no

Deixe seu comentário