Crise do Transporte Público: Vereadores criticam inércia de Dr. Pessoa

Nesta segunda (21), motoristas e cobradores iniciaram mais uma greve e 100% dos veículos não circularam em Teresina

22/03/2022 11:29h - Atualizado em 22/03/2022 16:10h

Compartilhar no

Vereadores da Câmara Municipal de Teresina criticaram, na manhã desta terça (22), a falta de ações efetivas do Prefeito de Teresina, Dr. Pessoa, para solucionar a grave crise que se estende a mais de dois anos no transporte público. O gestor foi eleito em 2021 com a promessa de resolver em 100 dias a crise na capital, 400 dias depois a crise se acentuou ainda mais. Nesta segunda (21), motoristas e cobradores iniciaram mais uma greve e 100% dos veículos não circularam em Teresina. 


Leia também: #SOSTeresina: Má gestão de Dr. Pessoa é o assunto mais comentado do país; veja tuítes 

No 1º dia de greve, teresinenses esperam ônibus por 3h e valor de corridas por app dispara 


O vereador Ismael Silva (PSD) defendeu uma alternativa urgente para solucionar o impasse e lembrou que os vereadores já apresentaram ao executivo as ferramentas para fazer as alterações necessárias. "Já tivemos uma Comissão Parlamentar de Inquérito, apresentamos sugestão de rompimento de contrato, mas o município até o momento não apresentou nenhuma solução, nenhuma saída para a população. A casa entregou nas mãos do executivo todo o subsídio necessário para o rompimento do contrato, inúmeras irregularidades foram constatadas durante a CPI, então na faz sentido manter um contrato como este em que a população é quem padece lá na ponta", disse o parlamentar. 

Vereador Ismael Silva (PSD) defende alternativa urgente para solucionar crise no transporte (Foto: Tarcio Cruz/O Dia)

Já o vereador Dudu foi mais radical e cobrou um posicionamento do judiciário para que o contrato com os empresários seja rompido. "Estou vendo a necessidade do Tribunal de Justiça se manifestar também com relação a questão trabalhista, é óbvio que o rompimento desse contrato vai ensejar ações no judiciário. Vamos levar a Procuradoria Geral do Município para que o judiciário possa se manifestar para resolver essa situação que já passou do mel para garapa. A partir do momento que aprovamos mudanças o contrato já foi parcialmente rompido, com a nossas alterações abrimos as portas para a situação ser resolvida de vez", esclareceu. 

É permitida a reprodução deste conteúdo (matéria) desde que um link seja apontado para a fonte!

Compartilhar no