Em Teresina, aulas da rede municipal retornarão em formato de rodízio

O retorno das aulas 100% presenciais, contudo, já estão autorizadas pelo COE do Governo do Estado

19/01/2022 14:26h - Atualizado em 19/01/2022 15:56h

Compartilhar no

As aulas da rede municipal de ensino de Teresina ainda não voltarão 100% presencial no primeiro semestre letivo de 2022, informou a Secretaria de Educação de Teresina nesta quarta-feira (19) aos diretores das escolas. A Semec apresentou um documento que determina que as aulas aconteçam num formato de rodízio entre os alunos. 

De acordo com gerente de Gestão Escolar, Ivanilde Oliveira, ainda não é possível o retorno de todos os alunos da rede de ensino para as escolas ao mesmo tempo por conta da pandemia da Covid-19. Ela destacou o aumento de síndromes gripais da cidade e os protocolos que ainda são necessários. 


Leia tambémUFPI aprova protocolo de retorno as aulas para 2022, atividades práticas serão presenciais 


“Metade do quantitativo de estudantes matriculados estará em sala de aula por vez, garantindo um maior distanciamento e mais segurança nessa retomada gradual”, explicou Ivanilde Oliveira. No ano passado, apenas os 2º, 5º e 9º ano revezaram na presença nas escolas. As aulas da rede municipal têm início do dia 7 de fevereiro.

Foto: Assis Fernandes / O Dia

O retorno das escolas com aulas 100% presenciais no Piauí já foi autorizado pelo Comitê de Operações Emergenciais (COE)  do Governo do Estado na última quarta-feira (12). Os membros do Comitê decidiram que uma série de medidas deverá ser adotada pelas escolas públicas e privadas para manter a segurança sanitária nas unidades.

Dentre os protocolos, está a exigência do comprovante de vacinação contra a Covid-19 para professores, trabalhadores e alunos contemplados pelo Programa Nacional de Imunização – PNI.

Famílias desabrigadas

O retorno das aulas em três escolas da rede municipal de Teresina, contudo, segue incerto. As escolas Dilson Fernandes, Iolanda Ribeiro e Domingos Afonso, na zona Norte da Capital, abrigam famílias que tiveram suas casas atingidas pelas enchentes registradas desde o início do mês de janeiro. De acordo com a Defesa Civil, essas famílias ainda necessitam de abrigo. Questionada pela O Dia, a Semec não se manifestou sobre a volta às aulas nessas unidades. 

É permitida a reprodução deste conteúdo (matéria) desde que um link seja apontado para a fonte!

Compartilhar no

Deixe seu comentário