Funcionários fazem vaquinha para comprar gás em escola municipal de Teresina

Nesta quinta-feira (11), os profissionais gravaram um vídeo denunciando o descaso e cobrando que o problema seja solucionado

12/08/2022 12:54h

Compartilhar no

Professores e funcionários da Escola Municipal Moaci Madeira Campos, localizada no bairro Santa Sofia, zona Norte de Teresina, precisaram fazer uma vaquinha para comprar o gás de cozinha usado para preparar a merenda escolar de mais de mil alunos. Na quinta-feira (11), os profissionais gravaram um vídeo denunciando o descaso e cobrando que o problema seja solucionado o quanto antes pela Secretaria Municipal de Educação (Semec).

Uma professora da unidade relatou que a escola passou por uma reforma em 2019, quando foi instalado gás canalizado. Contudo, em maio deste ano, foi constatado um vazamento, o que impediu que os fogões fossem utilizados por três semanas.

(Fotos: Assis Fernandes/ODIA)

“Enquanto isso, os alunos ficaram lanchando suco com biscoito porque o gás ainda não tinha sido resolvido, apesar da equipe da Semec ter ido ao local. Três semanas depois, a escola recebeu um botijão de 13 kg, mas toda vez que acaba a gente precisa ligar para a secretaria e eles demoram para resolver. Da última vez, conversamos com a vizinha, que é avó de aluno, para emprestar o gás dela para que pudéssemos terminar o lanche. Ontem, novamente, precisamos do gás, mas como ela não estava em casa, fizemos uma vaquinha para comprar, uma vez que já tinha iniciado o cozimento e não poderia parar senão estragaria”, relatou a professora.

Ieda Maria Alves da Silva, é auxiliar administrativa e vizinha da escola. Foi ela quem emprestou sua cozinha para que o lanche das crianças pudesse ser feito. Com duas crianças estudando na unidade, um neto e uma sobrinha, ela comenta que aceitou ceder seu gás de cozinha pensando no bem estar das crianças. 

“Eu sempre empresto para a escola, este ano com mais frequência, depois que essa nova gestão entrou. Faço isso pelas crianças, porque elas precisam. Os meus chegaram reclamando, dizendo que só estavam comendo biscoito e suco”, conta. 

A dona de casa Joseana Débora da Silva Sena, é mãe de um aluno que possui transtorno do espectro autista e relata o descaso que os estudantes estão passando com a falta de atenção por parte do poder público. Segundo ela, a falta de alimentação afeta diretamente o aprendizado dos estudantes. 

“É muito triste essa situação, pois muitas crianças saem de casa pouco alimentadas, justamente porque em casa não tem, ai se alimentam apenas com suco e biscoito? Isso prejudica até o aprendizado. Espero que isso se resolva, porque as crianças precisam. Elas estão contando com esse alimento. Vizinho tendo que emprestar botijão, professores e diretores tendo que fazer vaquinha para suprir essa necessidade, isso é triste. É uma necessidade e urgência”, finaliza. 

Contraponto

Por meio de nota, a Secretaria Municipal de Educação (Semec) informou que as unidades de ensino solicitam a troca do gás diretamente com o fornecedor, de acordo com suas necessidades. No caso desta escola, o gás já estava agendado e chegou ainda na quinta-feira (11).

É permitida a reprodução deste conteúdo (matéria) desde que um link seja apontado para a fonte!

Compartilhar no
Fonte: Com informações de Edna Maciel (ODIA TV)

Deixe seu comentário