Greve dos ônibus chega ao fim em Teresina após 80 dias

O transporte pública estava funcionado com apenas 70% da frota em horário de pico e 30% nos demais horários

09/08/2020 13:31h

Compartilhar no

A greve dos ônibus do transporte público de Teresina chegou ao fim após mais de 80 dias de paralisação dos trabalhadores. O fim da greve foi anunciada nesse sábado (08/08) pelo Sindicato dos Trabalhadores em Empresas de Transportes Rodoviários do Piauí (Sintetro). A Superintendência Municipal de Transportes e Trânsito (Strans) aguarda um comunicado oficial da entidade.

“Vamos aguardar um comunicado oficial do Sindicato dos Trabalhadores em Empresas de Transportes Rodoviários (Sintetro) e voltaremos a atender os passageiros de todas as zonas da cidade sem a necessidade da circulação dos veículos alternativos cadastrados”, comunicou o superintendente da Strans, Weldon Bandeira.


Leia também

Transporte coletivo de Teresina está próximo a colapso, diz SETUT 

Cerca de mil trabalhadores do transporte público têm empregos ameaçados 


Atualmente, devido um acordo celebrado com Ministério Público do Trabalho  (MPT), os ônibus funcionam com apenas 70% da frota em horário de pico, 6h às 9h e 16h às 19h, e 30% nos demais horários, com percurso do centro para os bairros. Mesmo com o fim do movimento grevista, o transporte público da capital seguirá com restrições devido a pandemia do novo coronavírus.

Foto: Divulgação / Strans 

A Strans pretende readequar a frota de forma que atenda as demandas dos usuários. “Neste primeiro momento, não haverá a reabertura dos terminais, permanecendo o formato radial de atendimento que está em atuação, com percursos do bairro para o Centro”, disse a entidade que representa as empresas de transporte em comunicado oficial.

A greve

greve dos ônibus em Teresina  teve início no dia 15 junho, após uma assembleia do Sintetro deliberar pela paralisação. Os profissionais reclamavam de demissões, retirada do plano de saúde, ticket alimentação e buscavam aumento salarial e equipamentos de proteção individual. 

É permitida a reprodução deste conteúdo (matéria) desde que um link seja apontado para a fonte!

Compartilhar no
Por: Otávio Neto

Deixe seu comentário