Metade das ambulâncias de Teresina estão sem funcionar, denuncia CRM-PI

Para o CRM-PI, a situação precisa ser regularizada pela Fundação Municipal de Saúde de Teresina (FMS), pois a redução da frota do SAMU prejudica os atendimentos de urgências

14/10/2022 15:17h - Atualizado em 14/10/2022 15:22h

Compartilhar no

O Departamento de Fiscalização do Conselho Regional de Medicina do Estado do Piauí (CRM-PI) realizou, nessa quinta-feira (13), uma vistoria no Serviço de Atendimento Móvel de Teresina (Samu) e flagrou várias ambulâncias quebradas e motolâncias sem funcionar.

De acordo com a entidade, das oito viaturas de suporte básico, quatro estão funcionando. Já das quatro motolâncias, somente duas estavam funcionando no momento em que a vistoria foi realizada pelo médico fiscal do CRM-PI, Dr. Juarez Holanda.

Foto: Divulgação/CRM-PI

O CRM-PI informou ainda que as três unidades de ambulâncias avançadas estavam funcionando, mas pela manhã só havia duas em funcionamento porque uma estava na oficina mecânica.

Na vistoria ficou constatado que as ambulâncias apresentam quebras frequentes de forma que a frota que circula pela cidade é variável. No momento da fiscalização, havia ambulâncias paradas no pátio da sede do Samu.

“Na semana passada, por exemplo, das oito USBS (unidades de suporte básico) chegou a acontecer de apenas duas funcionarem, e das três viaturas avançadas apenas uma em circulação”, disse Juarez.

Para o CRM-PI, a situação precisa ser regularizada pela Fundação Municipal de Saúde de Teresina (FMS), pois a redução da frota do SAMU prejudica os atendimentos de urgências, com o tempo maior de espera da população por atendimentos, de forma que a fila de espera aumenta e coloca em risco a vida das pessoas que precisam do serviço.

O CRM-PI afirmou que vai notificar o SAMU, a FMS, por meio de relatório, apontando as irregularidades e também comunicará o Ministério Público Estadual e, se necessário, instaurar um procedimento administrativo para que o problema possa ser regularizado o quanto antes.

O PortalODia.com entrou em contato com a FMS para emitir um posicionamento, mas não obteve retorno. 

É permitida a reprodução deste conteúdo (matéria) desde que um link seja apontado para a fonte!

Compartilhar no
Fonte: Com informação do CRM-PI