Motoristas e cobradores de ônibus ameaçam nova greve em Teresina; entenda

Categoria diz que os empresários ainda não pagaram o salário acordado na última negociação e vão esperar até o final do dia para decidir sobre possível paralisação.

20/05/2022 08:42h

Compartilhar no

Os motoristas e cobradores de ônibus de Teresina estão ameaçando deflagrar uma nova greve dos ônibus na capital. É que segundo a categoria, os empresários não pagaram ainda o salário acordado na convenção coletiva que foi assinada em abril e que colocou fim à então paralisação que já durava 22 dias. Esse salário é o primeiro que os profissionais devem receber após o acordo firmado entre a classe, o Setut e a Prefeitura de Teresina.

Caso os valores não sejam depositados pelas empresas até o final desta sexta-feira (20), os motoristas e cobradores de ônibus vão se reunir em assembleia para decidir os rumos do movimento. Em conversa com o Portalodia.com, Antônio Cardoso, presidente do Sindicato dos Trabalhadores das Empresas de Transporte Rodoviário de Teresina (Sintetro), afirma que o salário que deve ser pago impreterivelmente hoje representa apenas 40% do vencimento que a categoria deve de fato receber.

“É um adiantamento sem benefícios. Esses benefícios ficaram de serem pagos em junho. Se hoje não for cumprido o que está na convenção, a gente para.  Os empresários estão alegando que a Prefeitura não pagou o que devia e por isso eles não têm como pagar a gente. Nós não queremos saber. Acreditamos que a Prefeitura e o Setut têm que se resolver, porque temos data para receber e todo sai a gente trabalha, sai de madrugada, chega de madrugada, temos gastos. A gente quer ter nossos direitos e quando chega o dia, dizem que não vão pagar? Como a gente fica?”, questiona Cardoso.


Antônio Cardoso, presidente do Sintetro, fala sobre a possibilidade de uma nova greve dos ônibus em Teresina - Foto: Assis Fernandes/O Dia

Segundo o Setut (Sindicato das Empresas de Transporte Urbano de Teresina), a dívida da Prefeitura com a entidade soma R$ 73 milhões referentes aos subsídios das meia-passagens e das gratuidades concedidas na catraca. O coordenador técnico do Sindicato, Vinícius Rufino, explica que o sistema de transporte não se mantém apenas com o arrecadado com as passagens e que por isso depende do poder público para se manter operando a contento.

O representante do Setut acrescentou ainda que a Prefeitura de Teresina não vem cumprindo com o que foi acordado em outubro de 2021 sobre o parcelamento da dívida com a entidade. Por meio de nota, o Sindicato dos Empresários disse que a primeira parcela referente a março, no valor de R$ 850 mil, foi repassada no dia 06 de maio. Contudo, o repasse da Prefeitura referente a abril continua em aberto e as empresas estão aguardando o pagamento.

É permitida a reprodução deste conteúdo (matéria) desde que um link seja apontado para a fonte!

Compartilhar no

Deixe seu comentário