Retrospectiva 2021: reinvenção foi essencial para movimentar a cultura

No país inteiro shows voltaram à programação - porém, com público reduzido e medidas sanitárias mais rígidas

28/12/2021 15:03h - Atualizado em 28/12/2021 15:31h

Compartilhar no

O ano foi de grandes desafios para o setor cultural, ainda impactado pela pandemia, que desde o ano anterior parou todos os eventos presenciais. Os artistas precisaram se reinventar e sobreviver com tantas restrições causadas pela pandemia. De forma lenta, 2021 viu retomada para as atividades culturais. No país inteiro shows voltaram à programação - porém, com público reduzido e medidas sanitárias mais rígidas. O teatro também retoma aos poucos.

No Piauí alguns eventos culturais de grande porte, que não aconteceram no ano passado, foram realizados em formatos diferenciados em 2021. O Salipi - Salão do Livro do Piauí, por exemplo, aconteceu em dezembro em formato híbrido.


A Paixão de Cristo de Floriano, um dos maiores eventos religiosos do país, foi realizado e transmitido online da cidade cenográfica  - onde presencialmente estavam apenas atores e equipes técnicas, seguindo todos os protocolos de segurança. De acordo com o diretor do Grupo Escalet de Teatro, Cesar Crispim, a mudança de formato foi necessária para dar vida ao espetáculo em meio à conjuntura atual; além de oportunizar a todos que estão em casa uma mensagem de esperança, amor e fé por meio da arte. “Essa é uma forma de suavizar o ambiente familiar em um momento de tantas tensões, como é o atual contexto de enfrentamento ao coronavírus em todo o Brasil. É também uma maneira de transmitir conforto, paz e esperança a todos que nos assistirão, relembrando que esta situação vai passar”, pondera.


Foto: Ascom

Outro evento cultural importante foi o Festival de Teatro Lusófono – FestLuso 2021, que aconteceu em novembro, em Teresina, reunindo espetáculos e outras atrações de artistas de Moçambique, Portugal e de alguns estados do Brasil. O evento contou com várias atividades, como lançamentos de livros, no Espaço Cultural Trilhos: ‘O Livro Harém 35 anos’ e ‘Teresina, de Primeiro’, de Assaí Campelo. E também música, como show de João Victor, da banda Narcoliricista, revelação da música piauiense que permeia entre o Rap, Soul e R&B.

Um público que foi bastante impactado durante a pandemia foram as crianças, e para ir contrário do mundo virtual, resgatando brincadeiras ancestrais e o prazer de estar junto vivendo uma aventura, a décima edição do TRISCA#3 – festival de arte com crianças – foi retomado esse ano, em dezembro, em Teresina. O evento aconteceu na biblioteca pública estadual Cromwell de Carvalho – terraço, quintal e a “nave” foram cenários para “acontecimentos” pensando por artistas, músicos e produtores para serem vividos por crianças de todas as idades. O evento contou ainda com a Feira Verde Teresina.

“As crianças passaram por muitos momentos de privação no ano passado e neste viveram o excesso de informação”, observa Layane. “Acolher o que a gente sente, o que a gente vive e ir na direção da alegria foram coisas que povoaram o nosso imaginário ao pensar a programação”.

O cantor Vavá Ribeiro, que chegou a realizar uma live esse ano comemorando 30 anos de carreira, contou que mais do que rever o público, os artistas têm necessidade de exercer seu dom. “O efeito é imensurável. Ele é devastador, economicamente falando, porque nenhum artista imaginou que da noite para o dia não poderia fazer o show, que é o que o artista sabe fazer de melhor. Eu vejo muitos artistas tentando se reinventar porque nós precisamos sustentar as nossas famílias. Isso inclui também proporcionar moradia, escola, alimentação... Eu sei que nesse momento tem muitas pessoas passando necessidade, e sob o ponto de vista cultural, eu vejo que houve uma perda muito grande nos conteúdos produzidos pelos artistas”.

Em 2021 houve também o retorno do Projeto Seis e Meia, que traz ao Piauí grandes nomes da música nacional. Em outubro, a cantora Elba Ramalho, de 70 anos, desembarcou no para apresentações do projeto em Parnaíba e Teresina, respectivamente. No espetáculo a cantora relembrou sua estreia, há mais de 40 anos, quando participou do espetáculo Ópera do Malandro.

Após um ano e meio fechado ao público, funcionando apenas para realização de lives, o Theatro 4 de Setembro reabriu em setembro, com público reduzido. Durante os primeiros dias reabertura, o coordenador do Theatro 4 de Setembro, João Vasconcelos, explicou: "Estamos até reaprendendo a receber o público, depois desse período fechado, seguindo todos os protocolos de distanciamento. Mas é uma felicidades retornar com uma programação 99% de artistas piauienses”.

Foto: Arquivo/ODIA

Outra vitória da cultura em 2021 foi a reabertura de dois espaços importantes à nível internacional: o Museu da Natureza (MuNa) localizado no município de Coronel José Dias e o Museu do Homem Americano, em São Raimundo Nonato. Inaugurado em dezembro de  2018, o Museu da Natureza conta com diversas exposições, fósseis e meios tecnológicos que contam a respeito da criação do universo e surgimento da raça humana.

Já o Museu do Homem Americano, que fica ba sede da Fundação Museu do Homem Americano, o Museu foi criado a fim de divulgar a importância do patrimônio cultural deixado pelos povos pré-históricos na região. Além disso, é considerado um dos principais sítios arqueológicos do Brasil.

Foto: Redes Sociais

O acervo do local conta com diversas peças encontradas ao longo de mais de quatro décadas de pesquisas e trabalhos arqueológicos dentro do Parque Nacional Serra da Capivara. Lá, existem cerca de 700 sítios arqueológicos com pinturas que datam até 12 mil anos atrás.

Um dos nomes mais conhecidos do mundo, o piauiense Whinderson Nunes, passou por um ano de turbulências e vitórias. Em maio, ele perdeu o filho prematuro. Durante o ano lançou especiais no seu canal do Youtube e também na rede de streaming Netflix. Em dezembro retornou aos palcos com grandes shows lotados contando sobre suas aventuras pelo mundo ao longo da turnê mundial que realizou em 2019 e sobre o tempo em que ficou afastado dos palcos. O humorista ainda lançou a obra ‘Vivendo Como um Guerreiro’. No último capítulo, ele fala que também teve um abismo após o término com a ex-mulher Luísa Sonza, cogitando até a internação, mas tratou de enfatizar que a cantora não teve nenhuma culpa de seu vício.

É permitida a reprodução deste conteúdo (matéria) desde que um link seja apontado para a fonte!

Compartilhar no

Deixe seu comentário