Rua intrafegável no bairro Tabuleta gera transtornos e prejuízos para os moradores

Rua que faz acesso direto à Avenida Miguel Rosa, ao prédio da Justiça Federal e ao HUT, está intrafegável há mais de 20 anos. Moradores denunciam ainda que local é usado por usuários de drogas

28/05/2022 08:19h - Atualizado em 28/05/2022 08:48h

Compartilhar no

Moradores da rua Hermínio Conde, no bairro Tabuleta, na Zona Sul de Teresina, denunciam que os buracos, mato e lama tomam de conta da via a deixando intrafegável há mais de 20 anos. Eles reivindicam a recuperação da rua, já que faz acesso direto à Avenida Miguel Rosa, ao prédio da Justiça Federal e ao Hospital Urgência de Teresina (HUT).

Ítalo Uili, de 22 anos, trabalha em uma oficina na região e conta que há mais de 20 anos não é feita intervenção no local por parte do poder público. Segundo ele, donos de empresas de peças de carros e motos se juntaram para amenizar o problema.


Foto: Jorge Machado/ODIA

“A situação da rua sempre foi ruim com muitos buracos, mato e lama para todos os lados. Os donos dos estabelecimentos contrataram um trator para amenizar a situação. Por conta do mato, que é alto, e algumas carcaças de veículos velhos, muitos usuários de drogas se escondem para fazer assaltos”, conta.

Rafaela Fonseca, de 20 anos, precisa usar a rua todos os dias para chegar ou sair do trabalho. Sem ter o acesso pela Avenida Miguel Rosa, ela precisa percorrer uma distância maior, o que segunda ela, pesa no final do mês. A jovem relata ainda que os idosos e as crianças têm dificuldades para andar na rua.

“Trabalho aqui há mais de dois anos e a rua nunca foi feita. Os idosos e as crianças que vão para escola encontram muitas dificuldades. Deveria ser mais organizado porque essa é uma rua importante que dá acesso ao HUT. Como ela está intrafegável, os motoristas precisam fazer o retorno no balão da Tabuleta para chegar ao hospital ou pegar rotas alternativas para chegar aqui. Os prejuízos são enormes”, relata.

Ainda segundo Rafaela, a situação piora quando chove. “Os buracos ficam maiores e as pessoas tiram dos seus bolsos para ajeitar. É uma situação triste e que ninguém faz nada. A população precisa dessa rua urgente”, conta.

A recepcionista Mayara Kely denuncia que, por não ter iluminação adequada, o número de assaltos cresceu na região. “Não tem nenhum tipo de fluxo na rua por causa das péssimas condições. Não tem iluminação, o que aumentou o número de assaltos. Um carro da nossa empresa foi queimado. Também nessa área tem muitos usuários de drogas que usam o mato alto para se esconder e inclusive, alguns deles, chegam a assaltar quem passa por aqui. Isso é frequente”, finaliza.

Outro lado

Em nota, a Superintendência das Ações Administrativas Descentralizadas Sul (Saad Sul) informou que a obra de regularização da via será iniciada nos próximos 15 dias, com previsão de entrega em setembro.

É permitida a reprodução deste conteúdo (matéria) desde que um link seja apontado para a fonte!

Compartilhar no

Deixe seu comentário