Vídeo: homem que salvou amigos de chef em enxurrada fala sobre acidente

Vídeos gravados por câmeras de segurança mostram o momento em que o veículo é levado pela enxurrada.

06/01/2022 13:26h - Atualizado em 06/01/2022 14:18h

Compartilhar no

O vigilante Francisco dos Santos Júnior, de 27 anos, estava dormindo em casa, na tarde do dia 1º de janeiro, quando ouviu os gritos de que um carro havia caído no grotão ao lado da sua residência, localizada na rua Urano, no bairro Satélite, zona Leste de Teresina. Sem pensar duas vezes, ele correu mais de 300 metros para dar a volta no quarteirão e pular no grotão para salvar as pessoas que estavam no carro.

Vigilante Francisco dos Santos Júnior (Foto: Assis Fernandes/O Dia)

Ao chegar ao local em que o veículo foi levado pela correnteza, o vigilante relata ter visto duas mulheres agarradas às árvores gritando por socorro. Francisco diz ter tentado pedir ajuda aos moradores, mas eles ficaram com medo de entrar na água, que chegava a cerca de dois metros de profundidade. Sem alternativa, o vigilante pulou e ajudou as vítimas a saírem do grotão, entre elas três mulheres e dois homens. "Se eu não tivesse ajudado, a tragédia podia ter sido pior", avalia.

Mesmo com todos os esforços, ele lamenta não ter conseguido salvar a vida do chef de cozinha João Marcelo, de 37 anos, que conduzia o veículo.  “Eu fiz tudo o que eu podia, fui tirar as pessoas de uma por uma de dentro do grotão, mas a água estava muito alta, cobria o carro, quase me afoguei também. Então esperei a água baixar um pouco, quebrei o vidro do carro e tirei o João Marcelo lá de dentro, mas infelizmente ele já estava sem vida”, relata.

Em meio à chuva e a lama, o vigilante carregou as vítimas no colo para fora do grotão e acabou escorregando e lesionando o pé esquerdo. Machucado, ele relata que está afastado do trabalho e passa por necessidade. Francisco mora de aluguel em um pequeno imóvel ao lado do grotão, juntamente com a esposa e a mãe.

Francisco dos Santos mostra local onde carro foi levado pela correnteza. (Foto: Assis Fernandes/O Dia)

“Eu trabalho com carregamento e também como vigilante, estou afastado porque não tenho como trabalhar com o pé assim. Também bebi muita água e estou gripado desde o dia do acidente, dando febre alta, porque aquela água ali vem de banheiro, hospital, tem todo tipo de sujeira. Minha situação agora está difícil. Não recebi nem um obrigado”, lamenta.

Vídeos gravados por câmeras de segurança de residências próximas ao local do acidente, e obtidos com exclusividade pelo Portalodia.com, mostram o exato momento em que o veículo do chef de cozinha passa pela rua e, em seguida, é levado pela correnteza já dentro do grotão. Segundo Francisco dos Santos, os moradores tentaram alertar sobre o perigo de passar pelo local, mas devido à forte chuva que caía no momento, o condutor não conseguiu ouvir.

A doméstica Graziele Nunes, de 23 anos, presenciou o momento em que o veículo foi levado pela correnteza. Ela diz que, mesmo após a morte do chef de cozinha, a situação no local do acidente continua a mesma. De acordo com a moradora, nenhuma sinalização foi instalada para alertar os motoristas sobre o risco de trafegar pelo local durante a chuva.

Local continua sem intervenções da PMT. (Foto: Assis Fernandes/O Dia)

“A situação aqui é muito crítica. A gente já sabe a força da correnteza, vira um rio, então sempre que chove a gente fica aqui na esquina avisando pros carros não passarem, mas tem motorista que é teimoso e acha que consegue. Eu vi o carro dele passando e comecei a gritar pra não passar, mas ele não ouviu. Quando vi que o carro foi levado, eu saí correndo pra acordar meu marido gritando: ‘o carro caiu, o carro caiu’”, lembra.

Para as pessoas que quiserem ajudar o vigilante, o telefone de contato é: 9496-5224 ou 98833-0675 (whatsapp). O Pix para depósito de qualquer valor é o número de Cpf: 057.541.223.22.

Contraponto

A reportagem do O Dia entrou em contato com a Prefeitura de Teresina e solicitou informações sobre os projetos de intervenção previstos para o grotão da rua Urano, mas até o momento não obteve resposta. O espaço continua aberto para quaisquer esclarecimentos.

É permitida a reprodução deste conteúdo (matéria) desde que um link seja apontado para a fonte!

Compartilhar no

Deixe seu comentário