“Estou horrorizado”, diz pai de Camila Abreu com possível volta de Allisson Wattson à PM

O parecer favorável foi dado pela juíza da 9ª Vara Criminal de Teresina, Valdênia Moura Marques de Sá

13/05/2022 13:28h

Compartilhar no

Em entrevista ao ODIA, o pai da estudante Camila Pereira de Abreu, Jean Abreu, relatou que a família está horrorizada com o possível retorno do ex-namorado e ex-capitão da Polícia Militar do Piauí, Allisson Wattson da Silva Nascimento, ao quadro da PM. O militar foi condenado a 17 anos e seis meses de prisão, em regime inicial fechado, pela morte da estudante de direito de 21 anos, em outubro de 2017, em Teresina. A sentença saiu após um julgamento de mais de 16 horas.



“Estamos horrorizados. Uma pessoa que foi julgada, condenada, está preso no Presídio Irmão Guido, é réu confesso no assassinato, foi mostrar onde estava o corpo, e agora vem esse parecer sendo favorável para que ele retorne ao quadro da Polícia Militar. Isso a gente não aceita, a sociedade é contra, todas as famílias vítimas não são a favor, mas se Deus quiser ele não vai voltar ao quadro da PM”, disse o pai da estudante.

Jean Abreu, pai de Camila Abreu (Foto: Assis Fernandes/ODIA)

O parecer favorável à reintegração do ex-capitão à PMPI foi dado pela juíza da 9ª Vara Criminal de Teresina, Valdênia Moura Marques de Sá, dando seguimento ao recurso de apelação feito por Allisson Wattson após seus pedido ser negado pelo juiz Raimundo José de Macau Furtado, em junho de 2021. Seguindo a juíza Valdênia Moura Marques de Sá, a ação de nulidade do pedido é improcedente. 

O pai de Camila lamentou a decisão da juíza e manifestou o desejo de que o pedido de reintegração ao quadro da Polícia Militar não seja considerado, uma vez que fere as famílias vítimas. “Eu peço, por favor, eu imploro para que isso não venha a acontecer, que esse rapaz não pode voltar ao quadro da PM. A Polícia Militar é feita por homens de bem e para entrar no quadro da PM precisa ter bons antecedentes, e agora, depois de julgado, a Justiça quer que ele volte e isso é lamentável”, disse Jean Abreu.

Entenda o caso

Allisson Wattson da Silva Nascimento assassinou a então namorada, Camilla Pereira de Abreu, com um tiro em crime ocorrido em outubro de 2017 em Teresina. Dias após o crime, o corpo de Camilla foi encontrado em um matagal no Povoado Mucuim, próximo a Altos. Em depoimento à polícia, Allison confessou a autoria do homicídio e acabou sendo preso. Na ocasião, o delegado do Departamento de Homicídios, Francisco Baretta, deu detalhes do depoimento dele e disse que o então capitão da PM havia matado a vítima dentro do próprio carro com um tiro durante uma discussão e que, aparentemente, não apresentava qualquer indício de remorso pelo ato praticado.

Allisson Wattson da Silva Nascimento assassinou a então namorada, Camilla Pereira de Abreu (Foto: reprodução)

Além do homicídio com a qualificadora do feminicídio, Alisson também passou a responder por ocultação de cadáver e fraude processual, uma vez que tentou dificultar o trabalho da polícia se desfazendo das provas de sua autoria do crime. Segundo informou a polícia à época, o então PM levou seu carro sujo de sangue para lavar e ainda teria tentado vender o veículo. Um ano e quatro meses após sua prisão, Allison foi expulso da Polícia Militar e perdeu o posto de capitão e oficial da Segurança Pública.

É permitida a reprodução deste conteúdo (matéria) desde que um link seja apontado para a fonte!

Compartilhar no
Por: Com informações de Tony Silva, da O DIA TV

Deixe seu comentário