Julgamento de policial que matou cabo da PM em Teresina é adiado novamente

Crime aconteceu em fevereiro de 2019 em meio a uma briga de trânsito. A vítima, cabo Samuel Borges, tinha ido pegar o filho quando foi baleado pelo colega de farda.

25/03/2022 09:11h

Compartilhar no

O juiz Antônio de Jesus Reis Noleto, titular da 1ª Vara do Tribunal Popular do Júri de Teresina, decidiu adiar o julgamento do policial militar do Maranhão, Francisco Ribeiro dos Santos Filho, acusado de matar a tiros um colega de farda, o cabo Samuel Borges, em crime ocorrido na capital piauiense. O fato se deu no dia 01 de fevereiro de 2019, quando a vítima pegava o filho na escola.

De acordo com o inquérito da Polícia Civil, Francisco Filho e o cabo Samuel teriam se desentendido em uma briga de trânsito, o autor do homicídio teria perseguido a vítima até a escola onde ele ia pegar o filho e, então, teria iniciado uma troca de tiros na qual o PM do Piauí acabou sendo baleado e morto.


O cabo Samuel Borges, da PMPI, foi assassinado na frente do filho - Foto: Divulgação/PMPI

A cena foi testemunhada pelo delegado de Polícia Civil Willame Morais, que estava no local para pegar o filho na escola. Ele imobilizou Francisco Filho e lhe deu voz de prisão. Ele foi preso com duas armas de fogo, uma pistola Ponto 40, de uso exclusivo da PM, e um revólver calibre 38. Em maio de 2021, o policial foi exonerado da corporação maranhense.

O julgamento de Francisco Filho estava marcado para o próximo dia 30 de março e foi adiado agora para o dia 24 de maio atendendo a um pedido da defesa do ex-policial. Esta é a segunda vez que o julgamento é adiado: a primeira se deu em outubro do ano passado, quando o réu precisou passar por uma cirurgia e ficou impossibilitado de comparecer ao tribunal do júri.

É permitida a reprodução deste conteúdo (matéria) desde que um link seja apontado para a fonte!

Compartilhar no

Deixe seu comentário